Voltei pra casa!

Olá, meus queridos, como passaram o ano novo? E o carnaval?

Não nos falamos desde o ano passado mas existe um motivo muito bom pra essa pausa tão grande – minha família e eu voltamos pra casa!

Em novembro do ano passado contei pra vocês, em uma série de 4 posts, como a crise atingiu minha família e como nós estávamos lidando com ela. Se você não leu essa saga, clique aqui.

A partir do momento em que eu tomei a decisão de me abrir em relação à tudo o que eu passei e escrevi aqui no blog a minha experiência, coisas boas começaram a acontecer. Primeiro, recebi mensagens de apoio e incentivo e, segundo, desobri que outras pessoas também estavam passando por problemas em função da crise financeira e a falta de emprego assim como minha família.

Foi uma troca de energia positiva que começou com a primeira postagem sobre o assunto e está reverberando até hoje.

Uma das medidas que eu e meu marido tomamos para ter um 2018 mais leve que 2017, foi planejar passeios e viagens para aproveitarmos nosso ano independente de conseguirmos ou não voltar pra nossa casa. Nós amamos viajar, então poderíamos programar viagens curtas já que pagar aluguel ou mesmo um financiamento com a nossa renda de então estava fora de cogitação.

Planejamos, ficamos felizes com o nosso plano e estávamos dispostos a aguardar o ano todo, se necessário, para que a nossa renda familiar aumentasse e a gente pudesse voltar pra casa.

E então, no primeiro dia do ano, recebemos a notícia que mudaria tudo, pra melhor: uma das casas que meu avô mantinha alugada estava disponível e ele estava disposto a nos ceder o local.

Nós não conseguíamos acreditar que iríamos finalmente voltar pra nossa vida.

Como a casa nova fica perto da casa dos meus pais e nós estávamos morando longe, eles foram visitar o local pra ver se precisava de algum reparo. Sim, precisava de muitos reparos, de reforma. Nossa situação financeira era boa para nos manter no dia a dia mas não tínhamos grana para bancar uma reforma, afinal, desde que meu marido voltou a trabalhar estávamos apenas tentando quitar as dívidas que se acumularam quando ficamos sem renda.

Mas o universo não parou por aí.

Meus pais fizeram o orçamento da reforma, fizeram suas contas e descobriram que poderíam nos dar a reforma de presente.

De novo, mal podíamos acreditar que as coisas estavam acontecendo assim, tão bem, depois de tanto tempo sem conseguir entender por que tudo estava tão mal.

A reforma aconteceu, nos mudamos, nos instalamos na casa nova e esse foi o motivo da pausa que dei aqui no blog.

Nós estamos muito felizes e muito gratos, a Deus e ao universo, aos meus pais e avós e a vocês e toda a enegia positiva que nos mandaram desde que souberam da nossa história!

Deu tudo certo, voltamos para a nossa casa e tudo aconteceu muito antes do que esperávamos e de um jeito muito melhor do que imaginávamos.

Muito obrigada pela positividade de vocês!

2018 já está sendo um ano bem melhor que 2017 e vem muito mais coisa boa por aí, tenho certeza.

Agora, tenho muito o que mostrar pra vocês sobre a organização e decoração da casa, em especial pra você que também mora num espaço pequeno.

Me acompanhem lá no insta @camilab.organizer – meu insta de personal organizer – porque vem série de posts sobre a organização da minha casa.

Até semana que vem 😉

Anúncios

Pra quê ser minimalista?

Olá, meus queridos!

Eu estava passeando pelo Pinterest uma vez e vi um texto que me chamou a atenção. Pelo título, percebi que a autora estava dizendo que reduziu tanto suas posses que acabou ficando sem nada numa casa grande e acabou sentindo falta de algumas coisas. Foi só passar os olhos pelo artigo que uma coisa passou pela minha mente de imediato: talvez a definição de minimalismo pra quem ainda não está familiarizado com o conceito pode estar equivocada.

Como eu falei pra vocês que vocês podem me considerar minimalista no post Como lidei com a crise: parte 3 , acho que está na hora de falar sobre o que é o minimalismo pra mim.

Então vamos lá: pra quê reduzir a quantidade de coisas que a gente possui, ou seja, ser minimalista?
Pra começar, ser minimalista não é apenas sobre reduzir, sobre se desfazer de quase tudo e viver com o que cabe numa mochila. Existem pessoas que fazem isso, mas essa foi a forma delas de encarar o minimalismo, baseado num conceito. E é sobre o conceito – pelo menos sobre o que eu entendo como “o conceito de minimalismo” – que eu quero conversar com vocês hoje.

fashion-1478810_1280

Minimalismo pra mim tem tudo a ver com autoconhecimento, com saber identificar, na sua vida, o que é importante e o que é tralha e isso é diferente pra cada pessoa. Existem livros e artigos online sobre minimalismo e é claro que você vai encontrar listas e mais listas sobre o que se desfazer mas hoje eu não quero deixar mais uma lista pra vocês, eu quero falar um pouquinho sobre pensar de forma minimalista.
A primeira vez que eu me deparei com o conceito de minimalismo como estilo de vida, eu não entendia muito bem o que levava algumas pessoas a viver de uma forma tão simples sendo que existem milhares de aparatos hoje em dia pra facilitar quase todas as tarefas. Eu não entendia porque ter menos se a gente pode ter um utensílio super moderno pra cada função. Não faria mais sentido ter essas coisas e aí sim, ter uma vida mais simples, já que elas existem pra facilitar?

Não necessariamente.

locket-2569573_1920
Vamos relembrar uma coisa: tempo é a coisa mais preciosa que a gente tem. Se passar, passou, não dá pra voltar e viver o último domingo de novo. Então, se o tempo é uma coisa tão rara, a gente precisa prestar bastante atenção em como ele está sendo gasto. O que acontece é que a gente está sempre reclamando que não tem tempo, que a agenda está cheia e é aí que está o xis da questão. Pra quê você precisa de mais tempo? O que está faltando na sua vida, o que você não está conseguindo fazer porque todo o seu tempo é ocupado com outras atividades? Será que não tem supérfluos tomando o lugar do importante?

E foi pensando no quanto o tempo é precioso que a resposta para a pergunta de 3 parágrafos acima começou a ficar clara pra mim. O propósito de ser minimalista é fazer um sistema que leve em consideração o nosso tempo e o que é realmente importante pra nós – como indivíduos únicos que não são iguais a mais ninguém no mundo – e ter somente as coisas que atendem esses dois requisitos.
Minimalismo tem que ter propósito. Por que EU estou reduzindo a quantidade de coisas que eu possuo? Para o quê eu quero mais espaço? O que eu gostaria de ter e não consigo porque alguma coisa que entra na categoria “excessos” está tomando o seu lugar?

frog-1339892_1280
Quer um exemplo real, da minha vida, pra ilustrar isso?
Nós não temos carro, meu marido e eu. Nunca tivemos e, pelo menos por enquanto, não pretendemos ter. Também não temos TV por assinatura e, o valor que nós gastaríamos mensalmente com um carro e a TV por assinatura, que nós já tivemos e sabemos bem quanto nos custava, possibilita que a gente não economize na qualidade das fraldas da Luna, que a gente ande de Uber sempre que quisermos, possamos sair pra comer fora toda a semana e possamos pagar por serviços que a gente mais gosta e mais usa como o Evernote versão pro, por exemplo.
Percebe que isso é apenas uma escolha entre o que é realmente importante pra gente e o que nós podemos viver sem, além de a gente não precisar ganhar mais dinheiro pra conseguir coisas de muita qualidade simplesmente por que nós eliminamos o que nós não fazíamos questão de ter, os excessos?

Quando a gente fala sobre reduzir, automaticamente coisas materiais vem à mente. Mas e as newsletter que a gente recebe por email só pra apagar sem ler, as fotos digitais que gente nunca filtra e depois não encontra a que quer, os relacionamentos tóxicos com pessoas que te fazem sentir mal, as atividades sociais feitas apenas “porque tem que ir”? Reduzir abrange todas as áreas da vida e fazendo isso, a gente consegue direcionar nosso tão precioso tempo e nosso suado dinheiro pra o que é realmente importante pra nós, sem esperar a aposentadoria pra ter uma vida plena.

Isso é minimalismo pra mim.

Até segunda que vem 😉

Resenha: A mágica da arrumação

Olá, meus queridos!

Tudo certo por aí?

Por aqui tá tudo bem também!

christmas-sack-964342_1280

Natal ta chegando, os preparativos provavelmente já estão rolando como listas de presentes, programação pra ceia, viagens e passeios nos feriados e, claro, a faxina e arrumação pra começar o ano direitinho. Então, se tem um momento bom pra falar sobre métodos de organização que vão desde organizar a gaveta de roupas íntimas até te fazer redescobrir alegrias na vida e eliminar stress, esse é o momento! Bota aí na resolução de ano novo: ler A mágica da arrumação da Marie Kondo.

Esse é um dos livros que mais gera controvérsias entre as profissionais da área por ser um pouco radical. Sim, tem coisas meio radicais mesmo e sim, vai causar desconforto nos acumuladores, mas na minha opinião, é uma dor necessária.

O nome dado ao método é KonMari, uma junção do sobrenome + nome da autora que, conforme o livro nos conta, é uma pessoa apaixonada por organização desde criança, já trabalha como profissional da área há algum tempo e já testou várias técnicas até chegar ao método, o que foi suficiente pra eu, prática como sou, adotar a forma dela de organizar pra minha vida. Eu fui me identificando bastante com o método conforme a leitura ia avançando e acho que isso aconteceu porque também me identifico muito com o minimalismo. Os princípios da Marie Kondo e do minimalismo são quase os mesmos pra mim.

O método dela consiste em se livrar de tudo o que não te traz alegria. Para ela, simplicidade é a chave para a organização definitiva, aquela que não deixa a bagunça voltar. Outro ponto que a autora defende é que cada um de nós tem exatamente o espaço físico de que precisa pra acomodar nossas coisas, tudo o que ficou depois do processo de descarte e que nos traz alegria. Talvez por isso o método KonMari seja tão controverso: nem todo mundo concorda que a gente precisa se livrar de tudo o que não adora. Eu, pessoalmente, concordo e estou aplicando na minha casa mas, se você não concorda, tudo bem! Acho que o lado positivo de se deparar com uma leitura tão radical assim é que ela nos dá um choque e nos leva a pensar e avaliar se estamos felizes com a nossa rotina de organização e com tudo o que possuímos. Acho que dá pra aplicar algumas coisas e colher resultados positivos também.

baskets-2028298_1280

Outra característica que eu gostei muito é que o método consiste em pouquíssimas regras. O foco é na ideia, não no processo. Se você compreendeu porque o descarte é importante e entendeu que cada coisa precisa ter o seu lugar e cada lugar deve ser destinado pra uma coisa, a bagunça não volta. Claro que ela fala no livro sobre como aplicar o método no processo de organização, mas o foco é em organizar primeiro na mente e eu acho isso fundamental. Não existe uma regra que abrange o estilo de vida de todas as pessoas viventes e não adianta somente alguém organizar pra você se, quando essa pessoa for embora e você tiver que manter tudo organizado no dia a dia, você não compreende o que foi feito na sua casa e não sabe manter. A bagunça vai voltar.

Bom, como sempre escrevo resenhas pra vocês sobre os livros que eu gostei, rs, indico totalmente a leitura de A mágica da arrumação!

Andei pesquisando e vi que tem outro livro da mesma autora, Isso me traz alegria, e já coloquei na minha lista de leitura. Alguém aí já leu esse último? O que acharam? Me contem nos comentários!

Beijos e até segunda que vem 😉