A autora dessa frase que vi viralizar no Reels do Instagram tá de parabéns! =D

Eu, como uma Millenial bem típica, assistia a série Xena, a princesa guerreira quanto passava na TV aberta. Você lembra dessa dessa série, mulher?
Me conta nos comentários!

A referência dessa frase hilária vem dessa série e, pela repercussão que ela teve, acredito que eu não sou a única mãe que se sente um pouco incomodada ao ser chamada de GUERREIRA.

Nenhuma mãe é chamada de guerreira se não estiver lutando uma batalha aos olhos de quem chama.

A pessoa vê a mulher cuidado da casa, do trabalho, dos filhos, da própria vida pessoal e logo quer elogiar o esforço e a dedicação.

Obrigada pessoa, eu sei que a sua intenção é mostrar apreciação por nós mães.

E por isso mesmo, preciso te contar um segredinho: uma mãe que tá lidando com tudo isso – e eu generalizei bem as responsabilidades que uma mãe assume – PRECISA DE AJUDA.

É muito agradável pra nós mães receber um elogio de alguém, claro que é. E eu sei que as palavras que compõem um elogio variam de pessoa pra pessoa, dependendo de como ela foi criada e tal.

Mas a realidade é que um elogio desses são só palavras vazias. A pessoa nos chama de guerreira, vai embora viver a vida dela, e nós continuamos guerreando sozinhas.

Esse é o post dos segredos para quem chama uma mãe de guerreira, olha só: uma mãe sobrecarregada não tá cansada de ser mãe.

Bom, ás vezes tá. Mas só porque ela assume a tarefa de mãe 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano, sem folga.

Uma mãe dá banho nos filhos durante o dia, na hora que costuma fazer isso e já está acostumada a fazer. Mas também tem que acordar às 3 da manhã pra dar banho na criança que está com febre, trocar toda a roupa de cama, colocar o colchão do lado de fora pra tomar um sol quando ele nascer, levar a criança pra própria cama afinal, a dela está toda mijada, e ir buscar um remédio pra febre, fazer um tetê e tentar pegar no sono de novo logo depois de tentar vestir essa criança enquanto tenta acalmar a choradeira.

Essa mesma mãe vai precisar levantar e começar a cuidar da vida no horário normal, independente da luta da madrugada.

“Imprevistos” que bagunçam toda a rotina, como esse, acontecem com mais frequência do que uma mãe gostaria.

Aposto que você, mãe, teria pelo menos mais uma dúzia de situações pra contar aqui nos comentários desse post sobre a sobrecarga que você sente na rotina de mãe.

Então, pessoa que nos chama de guerreira, sabe o que você pode fazer? Nos dar suporte para ajudar a lutar algumas batalhas.

Você pode ajudar com suprimentos. Quando for visitar uma mãe de recém nascido, leve alguma coisa pra comer que esteja pronta pra ela não precisar cozinhar.

Você pode ajudar com a logística. Quando for na casa de uma mulher que tem um bebê, lave a louça.

E sabe o que pode ajudar muito? Se você nunca, jamais, sob nenhuma circunstância fizer um comentário negativo sobre a limpeza e arrumação da casa.

Na verdade, não faça nenhum tipo de comentário. Essa mulher sabe que a casa dela está um caos e não tem estrutura emocional no momento pra lidar com nenhum tipo de comentário sobre isso sem se culpar.

Já está na hora de todos começarem a compreender que as mães não são guerreiras ou seres divinos nascidos com algum tipo de dom.

Nós somos apenas pessoas comuns, que fazem algumas coisas com mais facilidade que as demais pessoas tanto quanto fazem algumas outras coisas com mais dificuldade que as demais pessoas.

A diferença é que nós estamos enfrentando possivelmente o maior desafio da nossa vida e a gente não sabe muito bem o que fazer. Estamos apenas tentando fazer o melhor.

Guerreira não, sobrecarregada.