Como criar suas metas SMART

Pode ser que você já tenha ouvido falar desse termo, META SMART, aplicado a empresas.

Mas, hoje eu quero te mostrar como essa forma de definição de metas pode ser aplicada de forma bem simples nas suas metas pessoais e te ajudar a alcançar seus objetivos de forma mais leve.

Então, vamos direto ao assunto?

O que é uma meta SMART?

Embora SMART signifique esperto em inglês, essa meta não se refere a uma palavra mas sim, a uma sigla.

  • S – Specific (ESPECÍFICA)
  • M – Mensurable (MENSURÁVEL)
  • A – Achievable (ATINGÍVEL)
  • R – Relevant (RELEVANTE)
  • T – Timed (TEMPORAL)

Cada um dos 5 elementos dessa sigla funcionam como condições para que você transforme seu objetivo ou sonho em algo real.

O que significa a meta SMART?

Então, vamos descobrir o que significa cada elemento da sigla SMART pra que você possa aplicar esse conceito nas suas metas pessoais.

S – Específica

Sua meta precisa ser específica, ou seja, você precisa anotar com o máximo de detalhes O QUE você quer.

Pode ser tentador anotar algo como “quero ser mais organizada” mas essa ainda é uma meta muito vaga, afinal, “ser mais organizada” abrange várias áreas da sua vida.

Ser mais organizada implica organizar sua casa, sua rotina, seus pensamentos, seu método de trabalho e por aí vai.

Então, para esse exemplo, comece definindo que parte da sua vida você gostaria de organizar.

M – Mensurável 

Uma meta mensurável é uma meta que você pode medir, ou seja, você consegue acompanhar seu progresso.

Vamos continuar na meta que usamos como exemplo: ser mais organizada.

Digamos que você tenha especificado que quer organizar sua casa.

Agora, você precisa especificar ainda mais essa meta para dividi-la em metas menores e poder medir seu avanço.

Organizar sua casa significa, em geral, organizar suas roupas, os armários do banheiro, os armários da cozinha, as roupas das crianças e a lavanderia.

Só nesse levantamento superficial nós já temos 5 partes independentes para serem organizadas.

Se você dedicar uma semana para cada parte, na primeira semana já vai ter alcançado 20% da sua meta e a cada semana que passa, vai perceber que a meta “organizar suas coisas” está se tornando realidade.

Mensurar suas metas vai te dar mais motivação para continuar.

A – Alcançável

Agora, vamos pensar no seguinte: é possível organizar as 5 partes que compõem a meta “organizar sua casa” em 5 semanas?

Pode ser que você tenha muitas roupas e pouco tempo disponível para dedicar para todo o processo de organização delas.

Nesse caso, essa meta não vai ser alcançável, afinal, você vai precisar de mais tempo.

Ou pode ser que você tenha um casamento para ir no próximo final de semana – que era o único tempo que você teria para dedicar a sua meta – e você passe uma semana sem poder organizar nada.

Mais uma vez, algo que impede sua meta de ser alcançável.

Tá conseguindo acompanhar a lógica?

R – Relevante

Esse é um ponto crucial na definição da sua meta SMART.

Por que dedicar tempo, energia e até dinheiro para a realização dessa meta?

A intensão aqui não é se desencorajar e abandonar a meta, nada disso.

A intenção é ter clareza da recompensa que você vai ganhar ao final do processo.

Se você dedicar alguns minutos para pensar no impacto positivo que a realização dessa meta vai ter na sua vida quando for concluída e anotar isso de forma simples e clara, vai ser bem mais fácil se manter firme na execução das tarefas que compõem a sua meta.

Quando a autossabotagem aparecer, você vai se lembrar dos seus motivos para alcançar essa meta e vai se sentir mais motivada a fazer o que tem que ser feito.

T – Temporal

Essa é a última fase da definição da sua meta: bater o martelo na definição do prazo.

No segundo elemento da meta, usando nosso exemplo, “organizar a casa”, a gente fez a estimativa de que sua meta estaria concluída em 5 semanas.

No terceiro elemento da meta, percebemos que 5 semanas talvez não seria o suficiente.

E agora, que a gente percebeu o quanto o cumprimento dessa meta é importante e relevante pra você e que você sabe se dá ou não pra alcançar de acordo com a sua realidade, dá pra bater o martelo no prazo.

Mas, na minha opinião definir um prazo tem mais um propósito, além do óbvio.

Ter um prazo final e pequenos prazos intermediários te ajuda a abandonar o perfeccionismo, seguir o plano que você traçou nas etapas anteriores e simplesmente fazer o que tem que ser feito.

Pessoas perfeccionistas, como eu, tem uma certa tendência a querer colocar o carro na frente dos bois. Saber o que você tem que fazer a cada dia, a cada semana e a cada mês, ajuda muito a alcançar a deliciosa sensação de dever cumprido, além de nos fazer sentir que estamos avançando a um ritmo confortável.

Uma coisa importante de ser destacada aqui é que não conseguir cumprir uma meta te dá mais informações e direcionamento do que cumprir a meta.

Então, quando você não conseguiu atender o prazo, significa que algum dos passos anteriores precisa ser revisto.

Pode ser que, na hora de especificar e mensurar a meta, você não tinha informação o suficiente.

Pode ser que algo inesperado tenha acontecido, como a pandemia, e você precisou rever todas as suas prioridades.

Ou ainda, pode ser que quando você começou a colocar sua meta em prática, percebeu que tinha muito mais para ser feito do que você esperava.

Pode ser até que você perceba que quer abandonar a meta, porque ela parou de fazer sentido para você.

Independente do motivo, quando se trata de metas, não se apegue a termos como “fracasso” ou “sucesso”, apenas encare tudo como resultado.

Observe cada fase da sua meta SMART, identifique o que não funcionou como você esperava e faça as alterações necessárias para alcançar a meta na sua próxima tentativa.

Te vejo no próximo post, mulher!

Você não é a sua mente

Seu cérebro é uma máquina poderosa
programada para operar de uma determinada forma.

Assim como seu estômago, intestino e cada órgão do seu corpo, o cérebro segue padrões.

E um dos padrões que eu quero chamar a atenção aqui é o fato de que seu cérebro sempre vai querer poupar energia e colocar tudo no piloto automático.

Ou seja, os hábitos ruins que você acha que tem porque é preguiçosa ou outra coisa pejorativa, na verdade, é só uma atividade que você fez muitas vezes, repetidamente, e seu cérebro colocou no piloto automático pra poupar sua energia.

Você faz sem nem pensar que faz.

E vai continuar fazendo para o resto da vida se não compreender que esse é só o funcionamento natural da sua mente.

Você pode mudar isso se se comprometer a fazer diferente por algum tempo até que seu cérebro registre um novo padrão e o coloque no piloto automático.

E isso vai acontecer, inevitavelmente.

O grande problema aqui na verdade são 2.

Primeiro, você – e todo mundo – se acostumou a se culpar sempre que não consegue ter bons hábitos como se as outras pessoas – as que conseguem manter bons hábitos – fossem seres humanos superiores e superdotados. E olha aí a ironia: essa crença também é um hábito que pode ser mudado.

Segundo, a maioria das pessoas não é ensinada sobre como os hábitos são formados, então, vive sempre buscando hacks e fórmulas mágicas que resolvam as coisas de uma hora pra outra, ignorando o fato de que o sucesso mora na consistência.

Isso mesmo, na consistência.

Quando você faz alguma atividade repetidas vezes, seu cérebro coloca essa atividade no piloto automático, lembra?

Então, se você quer se exercitar todos os dias, se alimentar melhor, acordar mais cedo ou seja lá qual for o hábito saudável que queira implementar na rotina, você vai precisar compreender que, no começo, seu cérebro estará saindo da zona de conforto, sendo tirado do piloto automático e ele vai apresentar resistência.

Implementar qualquer hábito novo é mais difícil no começo porque você vai precisar se esforçar.

Mas esse esforço todo, consistentemente, vai ser registrado como um novo padrão de comportamento, como um novo hábito, e é aí que a mágica acontece e um hábito saudável entra na rotina de forma fluída e te permite, finalmente, parar de se esforçar tanto.

Esse é o processo e ele funciona.

Então, deixe a busca por fórmulas imediatistas de lado e invista energia em fazer todos os dias algo que faz parte do hábito saudável que você quer adquirir, mesmo que seja difícil, mesmo que você pense em desistir algumas vezes.

Confia no processo, mulher!

Como manter a casa em ordem depois da organização

Mulher, organizar é uma coisa, arrumar é outra, já tinha pensado nisso?

Entender essa diferença vai te dar mais clareza para manter a ordem.

Vou te explicar a diferença com um exemplo prático.

Faz de conta que você tem uma cômoda de gavetas largas e compridas aí na sua casa e que você guarda a grande maioria das suas roupas nela.

Daí, você vai usar todos os conceitos de organização que aprendeu no ebook LIMPE E ORGANIZE SEM SURTAR para usar o espaço das suas gavetas de forma inteligente.

Você começa desapegando do que não faz mais sentido, o que já diminui o volume de peças e começa a facilitar a organização.

Daí você começa a pensar com que frequência usa cada peça para descobrir o que faz sentido estar nas gavetas mais baixas e o que é melhor estar nas gavetas de cima, dobra suas peças de tal forma que você consiga visualizar todas elas facilmente quando abre a gaveta, sem precisar mexer nas roupas e agrupa suas roupas por tipo.

Isso é organização: estudar o volume de coisas que você tem e o espaço disponível para que tudo fique visível acessível e cada espaço seja bem aproveitado.

Agora, continuando no nosso exemplo, sua cômoda está organizada e você está usando suas roupas.

Você tira elas do lugar, usa, lava, dobra e coloca de volta. Isso é arrumação: colocar as coisas de volta no lugar que já foi determinado para as cada coisa no processo de organização.

Ficou clara a diferença?

Existem muitas situações em que o processo de organização falha simplesmente porque ele não existe. O que tem sido feito, na verdade, é somente o processo de arrumação do dia a dia.

A organização é o que faz diferença e esse não é um processo que precisa acontecer com tanta frequência assim.

Então, para ajudar você a manter a cada mais arrumada no dia a dia, tenho 3 dicas.

Dica 1 – Comece pelo desapego

Quando a gente elimina aquilo que não faz mais parte da nossa vida mas estava fora de vista, a gente libera espaço para organizar melhor o que faz sentido ser mantido.

Dica 2 – Faça o processo de organização com calma

Existe uma dica básica para te ajudar a começar, olha só o que você pode fazer.

Distribua todas as suas coisas sobre a cama, agrupe por tipo e observe o volume de cada tipo X os espaços dos seus armários.

Em que parte do seu armário o volume total das suas camisetas, por exemplo, ficaria melhor acomodado? E o volume de meias? E o volume de calças? Organizar suas coisas vai ser como brincar de encaixa-encaixa.

Dica 3 – Se necessário, fotografe o resultado da sua organização

O que mais vai manter sua casa em ordem depois da organização é saber onde as coisas devem ficar e colocar de volta no lugar depois do uso.

Então, se no dia a dia as coisas saírem do lugar e você não lembrar onde tinha que colocar, recorra à foto do dia da organização.

Ver como tudo estava lindo e bem organizado também vai te dar mais motivação para manter daquele jeitinho no dia a dia.

Agora, me conta aqui nos comentários: qual é a baguncinha do dia a dia que mais te incomoda?

Um beijo e até semana que vem, mulher!

Uma indicação para que você se conheça melhor

Mulher, a jornada de autoconhecimento não é só sobre aprender a se amar mais ao reparar nas coisas boas sobre nós mesmas.

É também uma jornada sobre identificar o que é feio, o que a gente não quer encarar, o que a gente não gosta.

E, por incrível que pareça, encarar nossas sombras de frente também nos ajuda a nos amar mais.

Há um tempo atrás eu terminei de ler um livro que me ensinou muito sobre mim mesma enquanto ser humano.

Nessa leitura, aprendi sobre a espécie humana, sobre eventos que moldaram a forma como o homo sapiens pensa e age e como nós todos ainda carregamos muitas características dos nossos ancestrais até hoje e, por isso, frequentemente, agimos de maneira um pouco desconexa com a vida que a gente leva na atualidade.

O livro que me ensinou tanto se chama SAPIENS, e é um livro gigante, tanto na quantidade de páginas quanto na qualidade do assunto abordado, que eu preciso confessar: levei meses pra terminar de ler.

E isso aconteceu porque eu queria parar a leitura a cada capítulo pra tentar absorver o que eu li.

Foi explosão de cabeça atrás de explosão de cabeça! A cada informação nova sobre a nossa espécie eu conseguia identificar padrões de comportamento das pessoas hoje – incluindo eu mesma – nas adaptações que a gente precisou fazer para sobreviver no passado.

Vivemos numa realidade moderna em que existe comida em abundância a nossa disposição na geladeira mas ainda comemos mais do que precisamos porque nosso corpo foi programado por anos para ingerir o máximo possível de calorias, afinal, o homem primitivo caçador-coletor não tinha certeza de quando seria a próxima refeição.

Louco isso, né?

Então, quero te levar para uma reflexão.

Já imaginou quantos aspectos diferentes compõem a pessoa que você chama de EU?

Quantas coisas existem para ser conhecidas sobre você mesma?

Se a gente pensar apenas na nossa mente, ja existe um mundo à parte.

Se pensarmos na nossa biologia, outro mundo.

E ainda existe nossa aparência, nossa saúde, nossas crenças…

Autoconhecimento é algo muito amplo.

Por isso, se você gosta de ler e quer uma indicação para se conhecer melhor como espécie, recomendo fortemente a leitura de SAPIENS.

Você tem algum livro no mesmo estilo para me indicar? Deixa aqui nos comentários!

Nove ideias para ter mais praticidade no dia a dia

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Hoje eu trouxe um post em formato de checklist para vocês. São 9 dicas simples que vão te mostrar como a forma como as coisas são feitas podem fazer toda a diferença na produtividade do seu dia a dia.

Essas dicas são baseadas em coisas que eu incorporei na rotina aqui de casa e que funcionaram muito bem para ajudar a gastar menos tempo com tarefas e liberar mais tempo para o que realmente importa.

É comum demais pra mim receber perguntas sobre como ter mais praticidade da hora de organizar. Pessoas dizendo que tem pouco tempo disponível, uma rotina corrida ou ainda horários totalmente flexíveis e nenhuma rotina mas que, como todos nós, querem manter a casa em ordem sem parar de dedicar o pouco tempo livre que tem para o que é importante para elas.

Então, se você se enquadra em algum dos perfis que eu citei e quer facilitar sua rotina de cuidados com a casa, as 9 dicas listadas abaixo são para você.

Então, confira as dicas abaixo e volta aqui no blog pra consultar elas de novo sempre que achar necessário.

9 dicas para te fazer ganhar mais tempo de forma natural no dia a dia

  1. Quando você tomar um copo de água, de café, de chá ou suco, passe uma água no copo na hora que terminar sua bebida e já coloque no escorredor. O mesmo serve para a colher que mexeu essas bebidas. Você vai ter menos louça pra lavar depois;
  2. Preparou uma refeição deliciosa que resolveu “agarrar” no fundo da panela, do refratário ou do prato? Coloque água nessa panela/refratário/prato assim que acabar de comer. Você não vai precisar dedicar tempo para o esfrega-esfrega quando for lavar essa louça;
  3. Está tomando um café enquanto mexe no computador e vai levantar para ir pegar uma água? Leve o copo de café com junto com você na hora de sair do cômodo. Esse hábito simples de sempre levar alguma coisa junto com você quando se desloca pela casa vai diminuir consideravelmente a quantidade de objetos fora do lugar no final do dia;
  4. Acordou pela manhã e fez seu pipi? Passe a escovinha no vaso sanitário logo depois de dar a descarga. Você pode usar um daquelas suportes para a escovinha do vaso sanitário e encher ela de desinfetante. Com a escovinha sempre mergulhada em desinfetante, esse hábito de escovar o vaso logo depois de usá-lo pela manhã vai deixar seu banheiro limpo e cheiroso por mais tempo;
  5. Chegou da rua? Tire os sapatos antes de entrar em casa. Você vai precisar varrer sua casa com menos freqüência porque a maior parte da sujeira não vai entrar em casa;
  6. Usou o último pacote de macarrão, a última caixa de leite, ou comeu a última bolacha do pacote? Anote que acabou. Assim, você vai começar a criar uma lista de mercado de forma natural que vai ser bem mais efetiva;
  7. Lavou e estendeu as roupas e elas já secaram? Só tire do varal na hora de dobrar e guardar. Você vai perceber que muitas roupas não precisarão ser passadas e vai ter um volume bem menor de peças da próxima vez que for passar. Inclusive, aqui em casa, eu sigo isso e não passo mais roupas;
  8. Você tem um carregador de celular portátil? Coloque-o na tomada assim que chegar em casa. Fazendo isso você vai garantir que ele sempre vai estar carregado quando você precisar sair;
  9. E por último – porque esse causa estranheza – esvazie sua bolsa ao chegar em casa. Tire tudo o que tem nela e veja o que realmente precisa ser colocado de volta para o dia seguinte. Você vai evitar deixar o guarda chuvas molhado, o pacote de bolachas aberto ou a coisinha que você comprou no caminho para casa esquecidos dentro da bolsa.

Essas dicas servem para te trazer mais tranquilidade e te ajudar a economizar tempo.
Se você criar o hábito de fazer isso todos os dias, no dia em que se esquecer, vai ser só por 1 dia. Vai ter só um dia de sujeira ou coisas fora do lugar. Só 1, sem acúmulo, sem excesso de coisas pra fazer.

Abraços e até semana que vem 😘

Como desafazer a mala da viagem

O post de hoje é em resposta a um pedido de vocês:

Mila, faz um texto sobre como organizar as mochilas e malas pós viagem? Tá F*

Tá difícil desfazer as malas sem ficar desanimado? Então, bora simplificar essa tarefa!

Só de a gente pensar em viajar, uma empolgação já começa a surgir. Planejar a viagem é uma delícia – pensar em tudo o que vamos conhecer e fazer no nosso destino, contratar o transporte, a hospedagem, as atividades – e quando chega o dia da viagem em si, a gente aproveita muito e até esquece de qualquer questão que tínhamos pra resolver, porque a gente deixou esse tipo de coisa lá na cidade de origem.

Agora, fazer e desfazer as malas acaba sendo a parte chata no meio de toda essa alegria da viagem, um fardo pra muita gente. Mas não precisa ser.

Dá pra simplificar bastante esse processo e eu vou te explicar como com somente 2 instruções.

Vamos lá?

1. Desfaça as malas o quanto antes

Pelamordedeus, não deixe os calçados sujos de terra e as roupas úmidas “marinando” na mala por dias.

Escuridão + umidade + calor = maternidade de microorganismos que vão deteriorar suas peças e sua mala deixando um mau cheiro de lembrança. Então, desfaça as malas o quanto antes, de preferência, no mesmo dia da volta.

Dica de ouro: comece esvaziando a mala. Tire tudo. Não deixe nada nela.

Lembram do saco para roupas sujas que eu mencionei no post Organizando a mala de viagem? Aqui é que ele vai facilitar muito a sua vida: tudo o que está sujo vai estar no mesmo lugar. Você vai abrir a mala, tirar esse saco e levar direto para o cesto de roupas sujas. Tudo o que sobrou na mala está limpo e pode ser guardado.

Pronto! Você já eliminou o processo de selecionar peça por peça pra saber o que está sujo e o que está limpo. E se você seguiu a dica dada aqui sobre categorizar todos os itens da sua mala em necessaires, vai poder pegar uma por uma e levar com você pelo quarto pra colocar tudo de volta no lugar.

Percebeu que, a maioria das coisas que serão colocadas de volta no lugar, são as que você acabou não usando na viagem?

Então, aqui vai uma dica de ouro extra: comece a prestar atenção na sua mala, tanto na hora de fazer quanto na hora de desfazer, e observe o que pode ser melhorado para a próxima viagem. Será que tem algo que você sempre leva acreditando que vai usar e nunca usa? Ou, quem sabe, a quantidade de peças de vestuário estimada para uso no seu destino está um pouco fora da realidade.

O que pode ser feito para fazer uma mala mais inteligente na próxima viagem?

Sempre faça essa pergunta pra você mesmo e, cada vez mais, a quantidade de peças limpas nas necessaires, que precisarão ser guardadas, vai diminuir, assim como o tempo gasto colocando tudo de volta no lugar. E, é para as coisas que, inevitavelmente, precisarão ser guardadas porque vão na mala em todas as viagens, que tenho uma segunda dica.

2. Defina uma caixa de itens de viagem

Vou mostrar a minha pra vocês, aqui embaixo. Um dia, ela não foi uma caixa mas, sim, um monte de itens aleatórios jogados dentro de uma mala grande que fica em cima do guarda roupas, assim, bem fácil de acessar quando eu vou fazer uma viagenzinha de um dia só, né? Como isso não funcionava, esse monte-de-itens-aleatórios-jogados-dentro-de-uma-mala migrou para uma caixa, que fica junto com as caixas de sapatos – bem mais acessível – e foi organizada com tudo o que eu fui percebendo que uso nas viagens.

Na hora de fazer a mala, desço essa caixa e deixo ela aberta em cima da cama até finalizar a mala.

Na hora de desfazer a mala, faço o mesmo, o que evita que eu esvazie as necessaires e jogue elas num canto ou deixe os acessórios da viagem jogados numa cadeira pra guardar depois.

caixa-de-viagem-blog-mila-bueno
Siga a seta. Tá vendo uma parte vazia? Essa parte pertence ao que estava sujo ao desfazer a mala da última viagem.

Se você definir uma rotina de montagem e desmontagem da mala, esses processos vão entrar no piloto automático, você vai criar um hábito.

Aí vai um passo-a-passo pra você se inspirar.


Fazendo a mala

Descer a caixa de itens de viagem ➤ definir o conteúdo da mala ➤ colocar tudo separado nas necessaires  ➤ colocar tudo na mala ➤ fechar a mala ➤ guardar a caixa


Desfazendo a mala

Descer a caixa de itens de viagem ➤ tirar tudo da mala ➤ separar saco de roupas sujas para levar no cesto  ➤ esvaziar necessaires ao colocar tudo no lugar ➤ guardar necessaires e acessórios de viagem na caixa ➤ guardar caixa ➤ guardar mala

Ah, e eu não posso deixar de te lembrar: antes de guardar a mala, verifique se ela não está suja ou úmida. Se estiver suja, passe um pano úmido com algumas gotas de vinagre branco no interior e exterior dela. Não se preocupe, sua mala não vai ficar com cheiro de salada, vai é ficar livre de maus odores e de microorganismos que estejam tentando se instalar nela. Depois dessa limpeza ou se estiver úmida, deixe aberta pra secar completamente.

Você tem mais alguma dica pra desfazer a mala de viagem? Conta pra mim nos comentários!

Para ser mais organizada você precisa ser flexível

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Semana passada, quando eu falei pra vocês sobre Como ser mais organizado, eu mencionei que, uma das características de uma casa de verdade é que ela não é uma casa de revista, ou seja, eventualmente vão ter coisas fora do lugar e isso é normal.

E sabe do que mais? Casa de verdade tem mais uma característica, que chega a ser derivada da primeira. Casa de verdade também precisa ser flexível e é sobre isso que nós vamos falar hoje.

Quando eu digo CASA leia-se também VIDA DIGITAL, porque as 2 características citadas lá em cima abrangem esses 2 campos da vida.

A vida muda o tempo todo e a rotina se transforma em função dessas mudanças. Em um momento você só estuda e divide as áreas comuns da casa com seus pais. Depois, você começa a trabalhar, seus horários mudam, suas tarefas precisam ser feitas em outros horários e seus hábitos precisam ser recriados, ou melhor, substituídos: se antes você estava habituado a tomar café num horário X, agora vai ter que ser no horário Y, por exemplo.

E isso é só pra citar o comecinho das mudanças. Na vida adulta, você pode morar com seu parceiro de vida ou sozinho, morar numa república ou com seus pais. Mudar de bairro – de estado ou até de país – ou permanecer no mesmo lugar onde nasceu. Também pode só trabalhar, trabalhar e estudar ou empreender.

Cada uma dessas variáveis que, na maioria das vezes insistem em acontecer do jeito que bem entendem, apesar dos nossos planos, podem afetar completamente seu modo de se vestir, se alimentar e o tipo de objetos que você tem em casa.

E é aí que entra a importância da CASA/VIDA DIGITAL FLEXÍVEL. Sua casa é seu lugar de descanso – tanto relacionado a sono quanto a qualquer atividade que recarregue suas energias. A disposição das coisas na sua casa precisa acompanhar sua rotina ou então você só vai se estressar em cada pequena atividade do dia a dia.

Hoje você tem 30 anos, empreende e mora fora do Brasil, em um país frio, com seu companheiro de vida? Tudo o que você acumulou até hoje vai precisar ser minuciosamente verificado porque, agora, além de dividir o espaço com outra pessoa, sua coleção de biquinis e suas apostilas de escola podem não se encaixar mais na sua realidade. Pra ter um dia a dia que funciona você vai precisar ter um lugar para os casacos de frio e o que você realmente usa pra dar suporte ao exercício da sua profissão atual.

Tá acompanhando o raciocínio?

Se organizar sempre vai te trazer mais tranquilidade e eliminar o estresse desnecessário causado por coisas que deveriam estar dando suporte pra sua rotina e não estão, como gastar um tempo excessivo caçando uma peça de roupa ou um documento.

Deixa eu fazer uma analogia: numa viagem para a Disney, seu objetivo principal não é o longo período de voo, é chegar nos parques. O voo é apenas um meio, um suporte para a sua viagem porque, o seu objetivo, é conhecer o Mickey, não ficar horas dentro do avião. 

Organização é o que te dá suporte para as demais coisas da vida.

A mensagem que eu quero deixar pra você é a seguinte: avalie, cada vez que qualquer coisa mudar na sua vida, se tudo ainda funciona do jeito que está.

Dê novos usos para cada cesto ou caixa, conforme o conteúdos deles se adapta a sua realidade.

Mude os móveis de lugar e o que fica neles pra atender às suas necessidades. Se uma atividade de suporte está dando muito trabalho ou tomando muito tempo pra ser realizada, ele precisa ser analisada e sofrer adaptações.

Espero que esse post te ajude a começar a encarar a organização como uma grande aliada ao invés de uma coisa um pouco chata de ser feita.

Abraços e até semana que vem 😘

Como se tornar uma pessoa mais organizada?

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Como ser mais organizado? Não estou falando sobre como dobrar uma camiseta ou colocar seus copos da melhor forma na prateleira, não. Aprender essas coisas específicas é simples, tem material de sobra aqui no blog e em vários outros que falam sobre organização. Tem tutoriais e vídeos com o passo-a-passo para organizar cada canto da casa na internet.

Não é sobre isso que estou falando. Estou falando sobre o dia seguinte ao dia da organização. Beleza, você organizou sua casa toda e toda a sua vida digital, mas…e depois? Como SER organizado? Como manter a organização? Como não deixar a bagunça voltar?   Antes de tudo, vamos esclarecer 2 coisas?

Primeiro: as casas de revista, só existem para a foto da revista. Casa de verdade tem coisa fora do lugar, sim. Casa de verdade, eventualmente, vai ter garrafa de água vazia na geladeira e roupa embolada e jogada na gaveta. Casa que tem vida dentro, tem coisa fora do lugar também. E isso não é ruim, é normal.

E, segundo: pessoas reais, eventualmente, vão ter emails não lidos na caixa de entrada e arquivos soltos na área de trabalho. Vão ter aplicativos no celular que foram baixados por impulso e que nunca mais foram abertos, além de fotos lotando a memória, que foram tiradas para enviar alguma informação pelo WhatsApp ou pra tentar registrar algo que estava em movimento – o que resulta em 59 fotos tremidas e uma única “ok”. Isso é normal, é a vida real.

É pra solucionar essas duas coisas que existe o processo de revisão, aliás. Se uma vez por semana você revê seus arquivos e sua casa, vai colocando no lugar o que foi tirado e mantém o controle da organização. Mas isso é assunto pra outra hora.   Então, pra responder às perguntas do primeiro parágrafo, posso te dizer que ser organizado é mais que colocar as mãos na massa pra organizar. É colocar a mente pra funcionar nesse sentido.

Como? Compreendendo os conceitos da organização.

 Você compreende que a organização é importante?

Organizar é sinônimo de liberdade de tempo, tranquilidade no dia-a-dia e, até, economia de dinheiro. Não é sobre colocar as coisas no melhor lugar, é sobre desencadear uma vida mais funcional e descomplicada.

Não tem nada mais inconveniente do que perder a peça de roupa que você precisa pra um evento importante dentro do seu próprio guarda roupas e chegar atrasado porque teve que encontrar a peça, descobrir que estava amassada, ter que passar para só então, sair. Se você gostaria de dormir mais 5 minutinhos pela manhã, mas não pode, porque tem que procurar tudo o que você precisa pra sair de casa e começar seu dia e não encontra com facilidade, eu te compreendo, porque já passei por isso e coisas assim acabavam com o meu dia.

Conceitos. Valores. Quando “a forma organizada de pensar” entra na sua cabeça, é um caminho sem volta. Um caminho muito mais leve e disciplinado e, como diria Renato Russo “disciplina é liberdade”.   Aprender e compreender alguns conceitos sobre organização foi muito importante na minha jornada e fez toda a diferença pra mim. Foi exatamente por isso que eu reuni os principais conceitos e valores de organização pra mim em um único material e, agora, quero compartilhar com vocês.   Escrevi meu primeiro Ebook!

Ele foi feito com muito carinho e dedicação pra te ajudar de vez a compreender conceitos importantes para ter mais liberdade de tempo e se armar com um escudo contra o estresse e a ansiedade provocados pela desorganização.

CLIQUE AQUI e garanta o seu gratuitamente!

Leia, releia e aplique esses conceitos na sua vida. Funcionou pra mim e tenho certeza que também vai funcionar para você.  

Uma abraço e até semana que vem 😉  

Como usar o conceito de taxonomia para se organizar melhor

Eu sempre tive uma certa inclinação para o lado da organização. Desde pequena, organizava meus gibis da turma da Mônica por personagem da revistinha e minhas coisas de uso pessoal por tipo, e revisava essa organização sempre que eu achava necessário.

Eu gostava de fazer isso.

Mas é claro que eu não usava esse talento natural da melhor forma em todas as áreas da vida, afinal, pra usar um talento a gente precisa de conhecimentos e ferramentas específicos. Só vontade sem ação direcionada, não traz resultados.

Então, hoje, eu venho falar de um dos conhecimentos básicos sobre organização, que pode ser usado por meio de diversas ferramentas diferentes, o conceito de TAXONOMIA

Taxonomia é um sistema de categorização hierárquica que cria um mapa para que você rastreie seus arquivos e pastas – sejam eles digitais ou em papel – mais facilmente.

Complicou? Calma que eu simplifico.

Esse termo, que a gente está pegando emprestado da biologia e está trazendo para o mundo da organização, existe para categorizar e deixar o ato de localizar mais intuitivo. Olha a imagem abaixo:

taxonomia-blog-mila-bueno
Trecho do livro A Tríade do tempo

Qualquer semelhança com os mapas mentais, não é mera coincidência.

A ideia aqui é pensar de trás pra frente:

  1. Faça o processo de descarte no seu computador, dispositivos móveis e papelada e elimine tudo o que não faz mais parte da sua vida.
  2. Observe as coisas que você tem e agrupe por família – data, local ou qualquer outra que faça sentido para a sua realidade
  3. Dê um nome para cada família – que vai ser uma pasta ou um caderno no Evernote
  4. Então, observe quais famílias se relacionam e pertencem a mesma categoria, a nível hierárquico. Ex.: na imagem acima, ROCK e CLÁSSICOS são duas famílias que se relacionam o suficiente para pertencerem à categoria MÚSICAS. Se não aparecerem relações fáceis de serem identificadas por você, deixe as pastas soltas mesmo.

E é aí que vem 2 pontos importantes:

Primeiro, faça o que puder pra ter o mínimo de níveis hierárquicos possível. O objetivo é simplificar o acesso a cada pasta ou caderno, criando um mapa que seja fácil de seguir.

Segundo, use a mesma taxonomia no digital e na papelada. Para as mesmas famílias e as mesmas categorias, os mesmos nomes. Isso ajuda seu cérebro a te ajudar.

No Evernote, dá pra deixar o arquivamento ainda mais simples com a opção de usar etiquetas pra categorizar

Captou a ideia?

Espero que esse conceito facilite sua vida como facilita a minha, diariamente.

Ficou com alguma dúvida ou tem um jeitinho só seu de usar a taxonomia que pode ser uma dica bacana pra galera? Deixa aqui nos comentários!

Abraços e até semana que vem 😉

Como criar hábitos que facilitam sua rotina

Já quero começar este texto desmistificando uma coisa: rotinas não são chatas.

Eu sei que muita gente fica ouriçada na cadeira só de ouvir a palavra ROTINA por associar ela a um conjunto de coisas chatas que nos limitam e tiram toda espontaneidade da vida.

Mas é exatamente o contrário.

Criar uma rotina onde a gente tem horários e jeitinhos pré definidos de executar cada tarefa que precisa ser executada faz a gente economizar energia cerebral, ou seja, faz com que a gente não precise pensar, planejar e raciocinar cada vez que for repetir essas tarefas.

E você com certeza já tem várias rotinas pré definidas aí no seu dia a dia e nem se deu conta disso. Por exemplo, você precisa parar e pensar sobre como deve escovar seus dentes pela manhã? Provavelmente você simplesmente levanta da cama e vai indo em direção ao banheiro, sem nem perceber que está fazendo isso.

E essa tarefa rotineira, que já está no piloto automático, é o que te permite pensar em outras coisas importantes sobre o dia que vai começar enquanto escova os dentes.

Essa é a ideia de tomar as rédeas da situação e criar as tais rotinas de coisas que você quer melhorar no seu dia a dia, de tarefas que você gostaria muito de incluir na sua vida mas não tem conseguido: fazer com essas tarefas entrem no piloto automático também e te permitam parar de se preocupar com a execução delas.

Então, vou te explicar, com um passo a passo bem prático, como eu transformo tarefas que antes me faziam gastar muita massa cinzenta em rotina pra ajudar você a fazer isso também!

Vou usar como exemplo uma tarefa que eu consegui – finalmente! – colocar na minha rotina e que muita gente também quer começar a fazer: exercícios.

Passo 1: estude a viabilidade

Legal, você quer começar a se exercitar.

DICA EXTRA: existe um passo bem importante antes desse, o passo zero, que é ter um porquê bem forte, o suficiente pra te manter motivado. Por que você quer começar a se exercitar? Se a resposta pra essa pergunta não for algo que seja significativo pra você e só pra você, você vai acabar desistindo de transformar exercício em rotina mais cedo ou mais tarde. A razão pra continuar precisa ser mais forte do que a razão pra parar.

Encontrou seu porquê? Agora, vamos para a dica 1.

Que exercício você consegue fazer com frequência? Pra responder isso, você vai precisar levar algumas coisas importantes em consideração:

  • Qual a distância da sua casa para o locar onde você vai se exercitar?
  • Quanto tempo leva para executar essa atividade?
  • Em qual momento do dia você vai conseguir se dedicar a ela?
  • O que você gosta de fazer?

Quando eu respondi essas perguntas pra mim mesma eu finalmente consegui incluir uma rotina de exercícios na minha vida.

Pode me julgar se quiser, mas eu odeio malhar. Era um saco pra mim ir para a academia quando eu decidi fazer a imbecilidade de me matricular em uma. Nessa época, me deslocar até o local onde eu faria exercício se encaixava na minha rotina, eu ficava lá por cerca de 40 minutos, depois do expediente de trabalho e fazia sentido porque a resposta para cada uma das perguntas acima colocou a “malhação na academia” como a melhor opção na época.

Agora não dá mais. Eu trabalho em casa e tenho 2 filhas pequenas. A forma como eu estruturei todas as demais tarefas do meu dia a dia tem funcionado muito bem e sair para ir até uma academia seria uma escolha ruim tanto em questão de tempo quanto financeiramente.

Então, as respostas para as perguntas lá de cima mudaram conforme a vida mudou.

Hoje, no momento em que estou escrevendo esse post pra vocês, eu faço 30 minutos de bicicleta ergométrica seguido de agachamentos ou abdominais intercalados a cada dia na minha casa, todos os dias pela manhã, logo depois de tomar café da manhã.

Essa última frase é o gancho para o próximo passo.

Passo 2: associe a tarefa nova à uma tarefa velha

Ókei, tem um porquê bem forte, estou motivada, escolhi qual a modalidade de exercício que eu quero fazer e aonde vou fazer e tenho livre o período da manhã. Como eu posso vencer a procrastinação?

Fazendo associações. Escolha uma tarefa ou atividade que já é rotina, que já está no piloto automático, e comece a fazer a tarefa nova logo depois dela.

Usando o nosso exemplo como base, você pode fazer seus exercícios matinais logo depois de arrumar a cama. Ou então, como eu que acordo cheia de fome, logo depois de tomar café da manhã.

Acorda – usa o banheiro – arruma a cama – troca de roupa – faz exercício

ou então,

Acorda – usa o banheiro – toma café da manhã – troca de roupa – faz exercício

Sacou o lance da associação?

Quando você amarra uma tarefa na outra fica bem mais fácil de executar.

Sabe quando você sai de casa num sábado e acaba fazendo o caminho do trabalho sem perceber? Esse é um bom exemplo de associação. Se você sempre pega as chaves do carro e tira ele da garagem sozinho pela manhã, tem grandes chances de você fazer o trajeto dos dias úteis no sábado também.

Passo 3: anote

Escreva, digite, grave um audio, não importa a ferramenta que você vai usar, apenas garanta que você vai firmar um compromisso com você mesmo.

Ninguém precisa ver essa sua anotação, ela é sua, então solte sua criatividade e seja detalhista.

Pode parecer um passo bem bobo e até facilmente descartável, mas vai te ajudar a se manter firme.

Anote o seu porquê, anote as respostas para as perguntas do passo 2, anote como vai funcionar sua nova rotina e a quê ela vai ser associada para funcionar.

E, se quiser, anote a data em que você decidiu assumir esse compromisso com você mesmo também. No caso da rotina de exercícios, você pode até anexar uma foto sua atual. Vai ser bacana acessar essa informação de novo daqui 1 ano e ver o quanto você progrediu!

Aqui eu usei como exemplo “incluir os exercícios físicos na rotina” mas esses 3 passos servem para qualquer coisa que você esteja tentando colocar na rotina.

Mas preste bastante atenção agora, eu preciso frisar uma coisa 👇🏻

Escolha 1 rotina nova de cada vez.

Cada uma dessas rotinas vai usar esse passo a passo de 3 partes para se transformar em um HÁBITO.

E são os hábitos que constituem a nossa rotina funcional e simples de ser executada!

Espero que esse passo a passo te ajude tanto quanto me ajuda cada vez que u preciso incluir algo na minha rotina.

E pra te ajudar a se aprofundar ainda mais nesse assunto de criação de hábitos, eu tenho uma super indicação pra te fazer: o livro O PODER DO HÁBITO, de Charles Duhigg, uma leitura muito leve e gostosa que, além de explicar muito bem como os hábitos são formados, te prende nas historias reais incríveis descritas pelo autor.

Fotinho da época em que eu ainda tinha muitos livros físicos!

Você já leu esse livro? Me conta aqui nos comentários de qual história você mais gostou!

Como terminar as tarefas chatas mais rápido

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Se você já deu uma passada pela página HOME aqui do site ou me acompanha no Instagram e viu o meu perfil, já sabe que eu busco viver ao máximo uma vida com mais significado.

Sabe porquê?

Porque eu estava cansada de viver em função das férias e feriados. Tipo, “todo o dia eu faço coisas que eu não gosto, não consigo alcançar o equilíbrio entre minha vida pessoal, profissional e a maternidade mas tudo bem! No final de semana eu vou me divertir muito pra compensar.” Daí o final de semana chegava e a realidade é que eu precisava dedicar o sábado todo pra faxina e organização da casa.

WOOOW! Que vida é essa, gente?

É claro que todas as escolhas são muito pessoais, mas, para mim, esse estilo de vida não funcionava. Eu não estava feliz assim.

Ókei então, eu queria poder terminar cada dia – ao menos, o máximo de vezes possível – satisfeita com o dia em questão, sem precisar esperar pelos feriados para sentir que eu estava vivendo e não apenas sobrevivendo, mas tem coisas que precisam ser feitas, certo?

Não dava pra eu simplesmente eliminar a limpeza da casa da minha vida, eu iria viver em um lugar imundo e disfuncional. Eu consegui eliminar o dia da faxina do jeito que a gente conhece e eu conto tudo pra vocês nesse post aqui, mas pra eu alcançar o objetivo que eu queria, eu iria precisar buscar formas novas de fazer as coisas antigas pra que sobrasse tempo para as outras coisas, para os outros papéis que eu assumo na vida, para o tal do equilíbrio.

E essa foi uma forma de continuar fazendo as coisas que são necessárias no dia a dia, mas fazer o tempo render: contar com a ajuda de um timer.

Então, vem comigo que eu vou te contar como eu uso a ajuda do timer exatamente para essas tarefas inevitáveis de quem tem uma casa sob a sua responsabilidade: a limpeza e a organização.

O que eu percebi que mais tomava tempo na hora de cuidar da casa era o quanto eu me perdia nas tarefas. Faltava foco. Parecia que fazer faxina era tão chato pra mim que qualquer coisa era uma boa desculpa pra fazer uma pausa. Ou então, o outro extremo: eu acabava limpando, arrumando e organizando por horas e horas e fica bem paranóica no final do dia se alguém tira uma coisinha do lugar.

Quem nunca falou pelo menos uma vez na vida a frase “Eu acabei de limpar, dá pra deixar tudo no lugar?” não sabe o que é ter sua própria casa e ser o responsável por cuidar dela!

Então, fracionar essa faxina em pequenas tarefas e limitar o tempo que eu dedico para cada uma me da um senso de urgência e mais foco.

A ideia é a seguinte: programe o timer do seu celular para apitar dentro de 15 minutos e mãos á obra!

Antes de programar o timer, tenha em mãos tudo o que você vai precisar para limpar ou organizar a área que você escolheu.

Comece a tarefa assim que der o start no timer e apenas finalize o que ainda estiver na sua mão assim que o timer apitar depois de 15 minutos.

Simples assim.

Pode ser que 15 minutos não sejam o suficiente? Pode.

Pode ser que seja mais que o suficiente e ainda sobre bastante tempo? Também pode.

Então, observe a situação da região que você escolher limpar sempre que o timer apitar pra saber que ajustes precisam ser feitos para funcionar melhor da próxima vez.

Será que dá pra agrupar 2 tarefas que são mais rápidas de executar do que você tinha imaginado?

Será que é preciso dividir uma única tarefa em 2 ou 3 partes porque elas levam mais tempo do que você esperava?

Leve tudo isso em consideração.

O timer é um ótimo aliado para começar a construir sua rotina de cuidados com a casa diária, semanal e mensal.

Tenho 2 posts aqui no blog sobre rotinas, não se esqueça de dar uma olhadinha neles também clicando nos links abaixo ↓

Abraços e até semana que vem 😘

Como organizar fotos digitais

Um novo ano está começando e isso significa que acabamos de passar por uma das épocas que mais rendem fotos e vídeos. É registro da ceia, da família reunida, de cada passeio e viagem feitos nesse período, da galera reunida na virada…enfim, na era digital em que estamos tudo rende muita foto.

E nesse clima de início de ano, o que acham de começar com alguma dicas pra organizar todas essas fotos e vídeos digitais?

Passo 1

Descarregue as fotos do seu celular ou câmera pra o computador assim que voltar de cada evento em que você fez registros. Assim a gente libera espaço pra que o aparelho não fique lento e é mais fácil ter controle na hora da organização.

Passo 2

Classifique as fotos por data e lugar onde foram tiradas. Eu já tentei separar por “Fotos das dogs”, “fotos na praia” e afins e dava um trabalho danado ficar classificando cada foto tirada pra saber pra qual pasta ia. E, no fim das contas, na hora de procurar a tal foto eu não conseguia rastrear.

Isso porque nosso cérebro memoriza melhor fazendo associações.

Se você der uma data e um nome para a pasta como “2016-12-25 – Natal”, quando você quiser aquela selfie linda que tirou no natal, vai intuitivamente bater o olho nessa pasta e saber que a foto está lá. Facilita trabalhar a favor da nossa cabeça!

Ah, e só uma coisa: Eu coloco a data começando pelo ano pra que as pastas fiquem na sequência cronológica certa!

Esse é um pedacinho da organização das minhas pastas!

Passo 3

Apague todas as fotos embaçadas, tremidas, cortadas e mal iluminadas e mantenha apenas as favorita. Não brigue comigo por essa dica, mas fazer isso economiza muitos megabytes de armazenamento e garante que todas as fotos que você salvou são as melhores.

Passo 4

E, por último, uma dica testada e aprovada: armazene suas fotos na nuvem.

Antes, colocava tudo num HD externo e depois que quase perdi tudo por um mal contato no cabo USB, fiquei com medo e joguei na nuvem. Estou gostando bastante, principalmente de poder acessar as fotos de qualquer lugar que estiver.

Agora, pra você que já tem muitas e muitas fotos armazenadas de forma desorganizada e quer organizar tudo, vou deixar uma lista de tarefas pra te ajudar a fazer isso.

1 – comece pelo que já está feito

Se tem alguma pasta com fotos que você sabe onde foram tiradas e que são do mesmo evento, olhe as propriedades de uma das fotos pra descobrir a data desse evento e já renomeie essa pasta!

2 – faça uma limpa em todas as suas pastas sem dó, conforme a 3ª dica lá de cima

3 – se não descobrir a data certa de alguma das fotos ou conjunto de fotos, não se preocupe

Tente lembrar pelo menos o ano, ou alguma palavra chave que te faça reconhecer facilmente o conteúdo dessa pasta!

4 – faça um pouquinho por dia, esse processo pode levar algum tempo para ser terminado

Você tem algum segredo pra ajudar nessa organização? Me conta aqui embaixo!