Low-poo e no-poo: um guia para começar a usar as técnicas (com produtos baratinhos)

E aí pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Hoje a gente vai pra parte prática, gente. Então, é muito importante que você tenha lido os demais posts dessa série, caso o mundo do no-poo e low-poo seja novo pra você, combinado?

Por isso, se você está chegando aqui agora, por esse post, vou deixar uma listinha aqui embaixo dos demais posts sobre cuidados com os cabelos pra você ler ANTES de continuar a leitura desse aqui, é só clicar nos links abaixo:

LEITURA EM DIA? Então vamos prosseguir!

Nesse post você vai encontrar uma lista de produtos liberados para as técnicas LOW-POO e NO-POO que são BARATOS e SEM TESTES EM ANIMAIS.

Isso aí. O estilo de vida minimalista tem tudo a ver com diminuir ao máximo o impacto negativo que as coisas que a gente consome tem na nossa casa maior – o planeta terra – então, fiz uma seleção de produtos acessível e sustentável pra vocês. Depois de escrever esse post e pesquisar mais sobre os produtos, já estou pensando em outras opções na minha próxima compra então, ME SIGAM NO INSTAGRAM, porque eu costumo compartilhar essas minhas experiências com vocês lá nos stories.

Se você chegou agora aqui no blog, preciso te contar 2 coisas: primeiro, esse post faz parte de uma série então, quando acabar de ler, leia os demais também porque o assunto se complementa. E segundo, que, para escrever essa série de postagens, eu contei com a ajuda da querida Camila Carvalho, uma especialista em cachos e a única pessoa que cuida do meu cabelo há alguns anos. O Instagram da Cá é cheio de dicas para cuidar dos cabelos cacheados, então, se você gosta desse assunto, acompanhe ela por lá @cobkami.

Dito isso, vamos começar pelo princípio: COMO COMEÇAR NO NO-POO E LOW-POO?

No último post dessa série sobre cabelos cacheados e contei pra vocês o motivo principal para aderir a uma dessas técnicas e como saber qual das duas é a mais adequada para você.

Então, se você já identificou qual a técnica mais adequada pra o seu tipo de fio e de couro cabeludo, é só começar a usar os produtos liberados e pronto, certo?

CALMA!

Lembra que eu contei pra vocês que cada produto que a gente aplica nos cabelos tem bastante química e que, a maioria delas, só é removida com o tal do sulfato? Pois bem.

Pra começar a usar os produtos liberados tanto para o LOW quanto para o NO, você vai precisar remover essa química dos produtos não liberados para as técnicas dos seus cabelos.

Como? Lavando generosamente com o seu shampoo cheio de sulfato. Lave bem o couro cabeludo e os fios, da raiz até as pontas, 2 ou 3 vezes se achar necessário pra remover todo os produtos que foram aplicados antes.

Depois dessa lavagem, siga com os cuidados do dia a dia – condicionar e finalizar – já com os produtos liberados.

Na próxima lavagem, use o shampoo liberado também e pronto! Você já está usando a técnica LOW-POO ou NO-POO!

Agora, um lembrete IMPORTANTE: tem grandes chances de você não ficar nada satisfeita com os seus cabelos no começo. Isso é completamente normal. Agora que você está respeitando a oleosidade natural do seu couro cabeludo e colocando menos produtos agressivos nos seus fios, você vai ver como ele realmente é e quais as necessidades reais dele. Por isso, pode ser que você comece com o LOW-POO e depois migre para o NO-POO. Ou vice-versa, como aconteceu comigo.

Agora é que você vai poder observar se seu couro cabeludo tem mesmo oleosidade excessiva ou se só estava com a oleosidade desregulada, como eu contei pra vocês nesse post aqui.

Quando você começar a usar o LOW ou o NO e, combinado à técnica, começar a pegar firme no cronograma capilar – que está bem detalhado nesse post aqui – você vai saber dizer com mais clareza se os fios do seu cabelo são mesmo do tipo seco ou se só estavam ressecados por causa da agressividade dos produtos que você usava.

Então, anota aí.

O segredo para um cabelo natural lindo e saudável é um conjunto de 3 passos.

  1. Entenda que seu organismo cuida dos seus cabelos naturalmente através do couro cabeludo e trabalhe junto com ele ao invés de contra ele;
  2. Seja fiel o suficiente ao seu cronograma capilar para entender que ele é necessário mas também seja flexível o suficiente para observar se as necessidades do seu cabelo estão mudando;
  3. Evite os hábitos nocivos do dia a dia que podem danificar os fios e até o couro cabeludo (vamos falar disso em outro post 😉 )

Então, agora, vamos para a nossa lista de compras de produtos liberados e sem testes em animais, por categoria. Eu selecionei 3 opções de cada tipo e o menor preço que encontrei de cada um no momento em que esse post está sendo escrito para que você tenha ideia da faixa de preço e possam escolher os produtos para montar seu kit.

SHAMPOOS LIBERADOS PARA LOW-POO

CO-WASH LIBERADOS (NO-POO)

CONDICIONADORES LIBERADOS PARA NO-POO E LOW POO

CREMES PARA PENTEAR LIBERADOS PARA NO-POO E LOW-POO

MÁSCARAS DE HIDRATAÇÃO LIBERADAS PARA NO-POO E LOW-POO

MÁSCARAS DE NUTRIÇÃO LIBERADAS PARA NO-POO E LOW-POO

MÁSCARAS DE RECONSTRUÇÃO LIBERADAS PARA NO-POO E LOW-POO

E os óleos vegetais para a umectação? TODOS LIBERADOS!

Gente, preciso confessar uma coisa: eu estou aprendendo demais ao escrever essa série pra vocês e espero que você esteja aprendendo tanto quanto eu.

Semana que vem tem mais! Ainda não posso dizer qual será o tema do próximo post porque tenho 2 assuntos super pertinentes em mente para continuar essa série mas ainda estou decidindo qual a melhor ordem para aborda-los aqui. O que posso dizer é que ainda vem muita coisa boa!

Abraços e até semana que vem 😘

NO-POO e LOW-POO: tudo o que você precisa saber sobre essas técnicas

E aí pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Hoje é dia de a gente desvendar de uma vez por todas o que são as técnicas conhecidas como NO-POO e LOW-POO.

Eu bati um papo com a nossa especialista em cachos, a Camila Carvalho, que está sendo uma super consultora em toda essa série para cabelos cacheados e ela me contou tudinho sobre essas técnicas: qual a diferença entre elas, como escolher entre as duas e porque deixar de usar a forma convencional de lavar os cabelos.

Se você chegou agora aqui no blog, preciso te contar 2 coisas: primeiro, esse post faz parte de uma série então, quando acabar de ler, leia os demais também porque o assunto se complementa. E segundo, que, para escrever essa série de postagens, eu contei com a ajuda da querida Camila Carvalho, uma especialista em cachos e a única pessoa que cuida do meu cabelo há alguns anos. O Instagram da Cá é cheio de dicas para cuidar dos cabelos cacheados, então, se você gosta desse assunto, acompanhe ela por lá @cobkami.

Então, vamos começar pelas 2 adaptações básicas que você vai notar nos cuidados com os cabelos que vão acontecer tanto com o LOW-POO quanto com o NO-POO.

Esse sufixo POO que existe no nome das duas técnicas – LOW-POO e NO-POO – é referente a shampoo. Ou seja, a primeira mudança que você vai notar ao aderir a uma dessas duas técnicas é na etapa de lavagem dos cabelos.

A segunda mudança que você vai notar ao aderir ao Low ou ao No, é na composição dos produtos que você vai usar nos cabelos, ou seja, o rótulo dos produtos vai virar seu melhor amigo no início porque algumas substâncias são proibidas em cada técnica.

Mas antes de a gente começar a se aprofundar em como essas 2 adaptações vão funcionar na prática, tem uma coisa importante que a gente precisa recapitular.

No primeiro post dessa série sobre cachos eu contei pra vocês que os cabelos cacheados precisam de cuidados diferentes dos cabelos lisos exatamente por causa do formato dos fios. Como assim? Nosso couro cabeludo produz uma oleosidade natural para levar a hidratação e os nutrientes até as pontas dos cabelos. Nos cabelos lisos, essa oleosidade “escorre” com mais facilidade. Já nos cabelos cacheados, essa oleosidade tem mais dificuldade em percorrer todo o comprimento dos fios até as pontas, então, quanto mais fechado o cacho, mais seco o cabelo vai ser.

Agora, que a gente relembrou essa necessidade específica dos cabelos cacheados, a explicação das técnicas LOW-POO e NO-POO vai fazer mais sentido, olha só.

Um shampoo convencional tem uma grande quantidade de uma substância altamente limpante, o SULFATO. Mas, estudando os cabelos cacheados descobriu-se que o tal do sulfato limpa muito profundamente, tanto o couro cabeludo quanto os fios, removendo junto com a sujeira a oleosidade natural. Os fios acabam ficando ressecados e o nosso organismo entende que precisa produzir mais oleosidade pra repor o que está sendo removido do couro cabeludo e dar conta do recado.

Conclusão: couro cabeludo com a oleosidade desregulada e a pessoa que é a dona desse cabelo gastando dinheiro a toa com produtos para tratar tanto o ressecamento dos fios quanto a oleosidade excessiva da raiz.

Percebe como apenas fazer a lavagem dos cabelos com produtos menos agressivos resolveria todo o problema e traria mais equilíbrio entre os cuidados com o couro cabeludo e os fios?

Então, só preciso me preocupar com o SULFATO no SHAMPOO e tá tudo certo, né Mila?

NOOOOPS!

Vamos construir um raciocínio juntas aqui. Pra quê uma substância tão forte pra limpar os cabelos? Não é só pra remover suor e poluição dos fios mas, também, pra conseguir remover a química presente nos demais produtos que a gente aplica nos cabelos. Então, se você vai abolir o uso dos sulfatos fortes para, então, começar a fazer uma limpeza mais leve que respeita a oleosidade natural que seu corpo produz através do couro cabeludo, seu novo produto de limpeza dos cabelos não vai ser suficiente para remover a tonelada de químicas mais fortes dos outros produtos. Você vai precisar pegar leve na composição de tudo o que você for passar nos cabelos além do shampoo.

Vamos continuar na construção do nosso raciocínio. O que é prejudicial para os cabelos é o sulfato forte. Se vamos eliminar o sulfato forte e, por consequência, as substâncias que só são devidamente removidas se a gente usar ele, vamos precisar remover também essas tais substâncias de todos os produtos que a gente for aplicar nos cabelos e é por isso que a lista do que é proibido na composição dos produtos para os cabelos das 2 técnicas tem, além dos sulfatos fortes, os parabenos, os petrolatos e alguns silicones.

Tá fazendo sentido?

Agora, lembra quando eu expliquei no post sobre os cuidados básicos qual a melhor forma de fazer a lavagem, o condicionamento e a finalização dos fios? Essas etapas vão acontecer do mesmo jeito. Só o que vai mudar é o produto que você vai escolher para fazer essas etapas.

Mas então qual a diferença entre NO-POO E LOW-POO e como eu escolho qual das duas técnicas é melhor pra mim, Mila?

Bom, POO você já sabe que é referente a shampoo. NO quer dizer SEM. LOW quer dizer POUCO. Então:

  • NO-POO = Sem shampoo. A limpeza dos cabelos é feita com um tipo de produto que nós vamos chamar de CO-WASH.
  • LOW-POO = Pouco shampoo. A limpeza dos cabelos é feita com um shampoo que é liberado para a técnica, por não conter na sua composição determinadas substâncias.

Agora, como escolher a melhor técnica pra você?

Se você tem a raiz com oleosidade excessiva e percebe que precisa lavar os cabelos todos os dias ou no máximo dia-sim-dia-não senão eles começam a coçar e/ou você sente a oleosidade excessiva quando toca, provavelmente a melhor técnica pra você é o LOW-POO.

Agora, se seus cabelos são bem secos e você consegue ficar dias sem lavar, quase uma semana até, provavelmente a melhor técnica para você é o NO-POO.

E porque esse PROVAVELMENTE aí? Porque as duas definições acima vão ser um guia para você COMEÇAR. Depois que você estiver usando a técnica que você escolheu é que vai sentir se ela é a mais adequada pra você.

Eu, por exemplo, comecei direto com o NO-POO e não funcionou pra mim. Até aumentei a frequência de lavagem dos cabelos para ver se era esse o problema, mas não era. Meus cabelos apenas eram muito oleosos e precisavam de um shampoo na hora da lavagem. Eu troquei para a técnica LOW-POO e agora, sim, a oleosidade está regulada e sinto os cabelos limpos na raiz e os fios hidratados, mesmo lavando apenas a cada 3 dias.

E como você pode começar a usar as técnicas?

Bom, a primeira coisa é verificar se os produtos que você tem na sua casa são ou não liberados para a técnica que você escolheu – NO-POO ou LOW-POO – e, se não forem, começar a fazer a substituição pelos produtos liberados.

Mas nada de desperdício, combinado? Use os produtos que você tem até acabarem ou doe para alguém.

DICA DE OURO: agora que a técnica está mais popular, está mais fácil encontrar produtos com a palavra LIBERADO logo da frente do rótulo! Você não vai precisar virar especialista em rótulos logo de cara 😉

Esse kit eu montei há cerca de 3 meses e ainda não acabou. Lembro que o mais caro foi a máscara, que custou por volta de 18 reais. Observar a frequência de lavagem necessária para o seu cabelo e utilizar a quantidade adequada, que eu contei pra vocês nesse post aqui, também vai te fazer economizar!

E se você gostou da ideia e quer começar a aplicar o LOW-POO ou o NO-POO nos seus cabelos, semana que vem tem um guia para que você comece da forma correta e uma listinha de shampoos, co-washs, condicionadores, finalizadores e máscaras para você montar seu próprio kit de cuidados com os cabelos.

Abraços e até semana que vem 😘

Hidratação, nutrição e restauração: como fazer um cronograma capilar

E aí pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Agora que nós já falamos sobre os tipos de cabelos e sobre cuidados do dia a dia, chegou a hora de falar sobre os cuidados mais avançados, aqueles que vão dar uma ajuda extra para a saúde e beleza dos cabelos.

A primeira coisa que preciso dizer, antes de começar a falar de cada processo, é que nós vamos falar sobre tratamentos externos, de fora para dentro. Mas é válido frisar que os cuidados de dentro para fora são igualmente importantes.

Então, beba muita água e tenha uma alimentação balanceada. Nosso organismo é muito inteligente e sempre vai mandar os nutrientes que ele tem disponível para os órgão vitais primeiro. Se a ingestão daquilo que seu organismo precisa está escassa, pode ser que não sobre nada para ser mandado para os cabelos e não vai ter tratamento de fora pra dentro que dê conta e seja duradouro.

Se você chegou agora aqui no blog, preciso te contar 2 coisas: primeiro, esse post faz parte de uma série então, quando acabar de ler, leia os demais também porque o assunto se complementa. E segundo, que, para escrever essa série de postagens, eu contei com a ajuda da querida Camila Carvalho, uma especialista em cachos e a única pessoa que cuida do meu cabelo há alguns anos. O Instagram da Cá é cheio de dicas para cuidar dos cabelos cacheados, então, se você gosta desse assunto, acompanhe ela por lá @cobkami.

Outro ponto muito interessante que a Cá mencionou no nosso papo é que fatores emocionais também afetam a saúde do cabelo e podem provocar queda.

A consistência no cuidado com os cabelos é o que vai trazer benefícios de verdade e que são duradouros.

Buscar uma fórmula mágica que faça com que os cabelos fiquem lindos depois de uma única aplicação é como fazer uma ótima maquiagem em um rosto machucado. A make bem feita vai cobrir os machucados mas por um curto espaço de tempo. O que vai resolver mesmo é tratar a raiz do problema.

E é aqui que a base para um estilo de vida minimalista se entrelaça aos cuidados capilares: exercite o autoconhecimento em cada área da vida para identificar de onde vem os problemas que você tem identificado na aparência dos seus cabelos e qual a necessidade real deles.

Então, sem mais delongas, vamos direto ao assunto: vamos falar sobre hidratação, nutrição e restauração e como criar um cronograma capilar que funcione para você.

Hidratação

Hidratar e devolver água para os cabelos. No dia a dia, nosso cabelo perde água naturalmente.

Quando a gente percebe que mesmo fazendo direitinho os cuidados diários, que a gente tratou em detalhes nesse post aqui, os cabelos estão ressecados, é hora de usar uma máscara de HIDRATAÇÃO nos fios.

COMO USAR A MÁSCARA DE HIDRATAÇÃO?

Esse é tratamento que a gente mais conhece. O que é interessante reforçar aqui é o seguinte: sempre evite a raiz dos cabelos na hora de hidratar. Então, massageie os cabelos mexa por mexa, depois de lavados e ainda molhados, começando pelas pontas e levando o produto para cima, em todo o comprimento dos fios, sem encostar o couro cabeludo.

Quanto ao tempo que essa máscara precisa ficar nos cabelos, depende. A recomendação da Cá foi para que a gente sempre observe os rótulos dos produtos e siga a sugestão de aplicação, afinal, os produtos são testados pelos fabricantes e a sugestão de uso vai garantir os melhores resultados.

De quanto em quanto tempo aplicar a máscara de hidratação? Depende de novo. E aqui, vale uma explicação. Quanto maior a curvatura dos cabelos, mais dificuldade ele tem para levar da raiz até as pontas a hidratação e a nutrição naturais que são produzidas pelo organismo lá no couro cabeludo.

Tipos de fios de cabelo

Então, cabelos lisos precisam de hidratação com menos frequência que cabelos que tem o cacho bem fechadinho. Vamos falar mais sobre isso mais pra baixo, no cronograma capilar.

Nutrição

Quando escutar umectação pense em óleos vegetais. Essa é a etapa de dar nutrientes para os cabelos. através dos óleos nutritivos.

As Máscaras de Nutrição em creme contém óleos vegetais na sua composição e podem servir a dois propósitos, hidratar e nutrir.

COMO USAR A MÁSCARA DE NUTRIÇÃO? Na hora de aplicar, siga as mesmas recomendações que dei logo acima para as máscaras de hidratação: foque nos fios e evite a raiz e o couro cabeludo.

Então, você pode usar uma máscara de nutrição em creme ou pode usar os óleos vegetais direto nos cabelos. Qual a diferença? A máscara de nutrição contém óleos vegetais na sua composição, mas em uma concentração mais baixa. Além disso, assim como as máscaras de hidratação, na hora de aplicar essa aqui você também vai evitar a raiz e focar apenas no comprimento dos fios.

Já se você for aplicar direto os óleos vegetais, vai poder aplicar na raiz também, afinal os óleos tratam tanto a pele – o couro cabeludo – quanto os fios. Eles são 2 em 1.

Mas não pense que isso faz com que você possa abolir as máscaras de nutrição da sua vida. Sempre observe seus cabelos para sentir qual a necessidade deles. Se seu couro cabeludo está saudável – sem caspa, coceira ou ressecamento – , talvez aplicar apenas uma máscara de nutrição nos fios seja o suficiente para você.

COMO ESCOLHER O MELHOR ÓLEO VEGETAL PARA VOCÊ

Sabe o que eu descobri nos meus papos com a Camila Carvalho? Que o óleo de coco NÃO é o melhor óleo para o cabelo. Logo eu, a doida do óleo de coco, descobri essa bomba!

Isso porque as moléculas do óleo de coco são muito grandes e o cabelo tem dificuldade em absorver. Mas olha só, se você usa o óleo de coco nos cabelos e tem bons resultados, continue usando. Afinal, o tema dessa série de postagens sobre cabelos é focar em observar os seus cabelos e atender as necessidades dele!

E para quem sente que o couro cabeludo também está precisando de cuidados e quer escolher um óleo vegetal para os cabelos, vou deixar 3 sugestões de óleos vegetais da Cá, nossa especialista em cachos, logo aqui abaixo.

1 – ÓLEO DE ABACATE

O óleo de abacate é um óleo coringa. Se você está começando agora no mundo dos óleos vegetais, comece com esse.

Ele é rico em vitaminas A, B1, B2, C e ácido oleico que são componentes essenciais pra fisiologia da pele e dos cabelos. Você pode usar tanto para massagear o couro cabeludo quanto os fios.

2 – ÓLEO DE JOJOBA

Se você tem problemas com excesso de oleosidade, pode parecer estranho mas aplicar esse óleo vai ajudar a regular essa oleosidade.

Ele é rico em ácido oleico e linoleico e pode ser usado tanto nos cabelos quanto na pele.

3 – ÓLEO DE SEMENTE DE UVA

E para terminar, o óleo de semente de uva

Ele é rico em ácido oleico e linoleico, vitamina E e betacaroteno e também pode ser usado tanto nos cabelos quanto na pele.

Agora, uma dica de ouro: não encharque os cabelos de óleo, aplique apenas o suficiente para umectar todos os fios. Além disso, massagear bem o couro cabeludo e o comprimento dos fios é o que vai garantir a absorção do óleo pelos cabelos, e não quanto tempo você espera antes de lavar. Depois de uma boa massagem, 15 minutinhos de óleo nos cabelos já é o suficiente.

Eu ainda não testei esses óleos mas fiquem de olho nos meus stories lá no Instagram porque assim que eu testar, conto tudo pra vocês!

Restauração ou reconstrução

Essa etapa é para os cabelos que passaram por processos químicos e não tem segredos. Se você pinta os cabelos ou fez luzes, seu cabelo vai precisar também, além da hidratação e da nutrição, do processo de restauração para devolver o que a química tira dos fios.

Esse processo é feito com a máscara de restauração em creme, que será aplicada exatamente como a máscara de hidratação e de nutrição: foque em massagear os fios, evitando a raiz.

A diferença entre as máscaras de hidratação, nutrição e restauração é apenas as substâncias que estão presentes nela. Você pode encontrar todas elas na mesma consistência, então fique atenta aos rótulos na hora de escolher suas máscaras.

E o cronograma capilar?

O cronograma capilar nada mais é do que definir a frequência com que você vai fazer cada um desses tratamentos no cabelo.

A hidratação aqui será o nosso básico. Independente do seu tipo de cabelo, ele perde água naturalmente e vai precisar de uma máscara de hidratação para fazer essa reposição. Então, a hidratação dos cabelos nós vamos fazer 1x por semana, combinado?

A partir daí, comece a observar seus cabelos.

Como seu cabelo É e como ele ESTÁ? Ele é liso, ondulado, cacheado, crespo ou afro? A raiz é oleosa ou seca? Ele passou por processos químicos como luzese ou tinturas?Essas respostas são um excelente ponto de partida para definir se você precisa de algo mais que os cuidados básicos do dia a dia e a hidratação e, em caso afirmativo, do quê.

Se seu cabelo tem sim processos químicos nele no momento, você vai precisar da hidratação e da reconstrução.

Se, além da química, ele apresenta oleosidade excessiva, caspa ou qualquer outra questão no couro cabeludo, ou se é muito seco, o que acontece mais quanto mais fechados forem os cachos, a nutrição vai ser uma etapa importante também. Você vai precisar dos 3 tratamentos nesse caso.

Percebeu como o cronograma capilar vai ser diferente pra cada pessoa?

Se você precisa dos 3 tratamentos para o seu caso, pode começar intercalando semana a semana também: na semana 1, hidratação. Semana 2, nutrição, semana 3, reconstrução. Quando chegar na semana 4, comece o ciclo de novo com a hidratação e perceba como seu cabelo está se comportando.

Faça 2 tratamentos na mesma semana, se julgar necessário.

Meu cabelo é cacheado, sem química no momento, e eu percebo que a hidratação sozinha não dá conta, preciso da etapa de nutrição, então vou intercalando semana a semana: aplico a máscara de hidratação em uma semana e faço a umectação com óleo vegetal na outra.

Semana que vem vamos falar sobre o NO POO e o LOW POO e sobre o que muda nos cuidados que a gente viu até agora caso você queira adotar uma dessas técnicas. Espero você!

Abraços e até semana que vem 😘

Conheça seus cabelos para cuidar deles da melhor forma

E aí pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Mas o que que tem a ver cuidados com os cabelos com minimalismo, Mila?

Calma, eu explico.

Se eu pudesse definir o conceito minimalista em uma frase eu diria:

Estilo de vida focado no que é importante para aquele que o está vivendo, baseado em autoconhecimento e eliminação dos excessos.

Mila Bueno

Ou seja, seguidor@ amad@ que está aí do outro lado da tela, para cuidar dos seus cabelos, ou da sua beleza em geral de forma efetiva e sem exageros, você precisa se conhecer. Quanto mais informação você coletar para saber direitinho como são os seus cabelos, mais adequados serão os cuidados com eles, menos produtos você vai precisar e menos desperdício vai acontecer.

Cuidar dos cabelos de forma minimalista NÃO é tentar diminuir a quantidade de produtos ao máximo só pra ter menos mas, SIM, adquirir aquilo que faz sentido de acordo com o seu tipo de cabelo, a sua rotina e o seu estilo de vida, com consciência de que as pessoas são diferentes e que o que funcionou para um cabelo pode não funcionar para o outro.

O propósito dessa série de postagens que eu estou fazendo é proporcionar pra vocês informação o suficiente para decidir como cuidar dos seus cabelos com o máximo de eficiência e o mínimo de compras e de eventuais desperdícios.

Sacou agora porque eu disse que serão cuidados minimalistas com os cabelos?

Antes de começar, preciso dizer pra vocês que o foco dessa série será nos cabelos cacheados – que em si só já possui uma gama de variações – e isso porque ainda existem muitos cacheados e cacheadas por aí que não assumem seus cachos.

Categorias macro de cabelos cacheados

Se você aprecia mais a imagem que vê no espelho alisando seus cabelos, não pare!

Mas se você alisa porque sente que seus cabelos naturais não são tão bonitos ou apenas porque não sabe bem como cuidar dos cachos, essa série foi feita para você.

Na minha opinião, não existe cabelo bem cuidado que seja feio, não importa se é liso, cacheado ou dreadlocks. Qualquer tipo de cabelo tem sua beleza e merece um tratamento adequado, que supra as necessidades do tipo de cabelo em questão.

Então, porque estou focando apenas em cachos? Porque eu sou uma cacheada! Mais do que informação sobre o nosso tipo de cabelo, cada post vai ter um pouco da minha experiência pessoal – de quem assumiu os cachos e aprendeu a amá-los e respeita-los.

Mas, lisas que me acompanham, fiquem ligadas! Em alguns momentos, vou precisar fazer algumas distinções entre os tipos de cabelos e é aí que vai ter informação interessante para cuidar dos cabelos lisos também.

E por último mas não menos importante, preciso contar pra vocês que, para escrever essa série de postagens, eu contei com a ajuda da querida Camila Carvalho, uma especialista em cachos e a única pessoa que cuida do meu cabelo há alguns anos. O Instagram da Cá é cheio de dicas para cuidar dos cabelos cacheados, então, se você gosta desse assunto, acompanhe ela por lá @cobkami.

Então, vamos começar a nos informar para nos conhecer melhor nossos cachos e fazer melhores escolhas para cuidar deles?

Se você tava achando que esse post era só introdutório, num é não. Fica por aí que vou te contar 3 informações importantes sobre os cabelos.

1 – Todo cabelo produz uma oleosidade natural para mante-los nutridos e hidratados

Sim, a oleosidade do seu couro cabeludo é um saco se for em excesso, eu sei. Mas a existência dessa oleosidade tem um propósito. É ela que vai levar a hidratação e nutrição que o seu cabelo precisa da raiz até as pontas.

Maaaaas, isso bastaria se a gente vivesse em um ambiente controlado em laboratório, né? Nosso cabelo é constantemente exposto a sujeira, poluição, alterações de temperatura e umidade do tempo e isso sem contar as alterações que o nosso organismo sofre com a idade e com nosso estado de saúde.

Tudo isso pode – e vai – impactar na saúde dos cabelos também e é esse o ponto do próximo item.

2 – Tudo o que a gente faz ou aplica nos cabelos é para suprir uma necessidade

Se a oleosidade natural dos fios não é suficiente, a gente deveria mesmo encharcar nossas madeixas de produtos, certo?

Errado!

Nós não podemos ignorar completamente a forma como o nosso corpo cuida de si mesmo. O que nós vamos fazer é observar atentamente a sensação que temos ao tocar os nossos cabelos e a aparência deles. Esses 2 fatores vão entregar para nós qual necessidade não está sendo suprida naturalmente no momento para que, aí sim, nós possamos escolher o produto adequado para ajudar a suprir essa necessidade.

Eu e a Cá vamos trazer mais informações para vocês sobre as necessidades específicas dos cabelos e as formas de suprir essas necessidades nos próximos posts.

3 – Cabelos cacheados e cabelos lisos demandam cuidados diferentes

Lembra das aulas de física? Olha só, um cabelo liso, que não faz quase nenhuma curva da raiz até as pontas é uma estrada reta. A oleosidade produzida pelo couro cabeludo percorre mais facilmente todo o comprimento dos fios naturalmente e não apresenta tanta necessidade de uma ajudinha extra dos produtos para cabelos.

Agora, quando mais curvas os fios apresentam, mais difícil fica para essa oleosidade natural descer até as pontas dos fios de cabelo.

Por isso, quanto mais fechadinho o cacho de cabelo, mais ressecamento ele pode apresentar no comprimento e nas pontas. E é por isso que cabelos cacheados requerem mais ajuda dos produtos para cabelos e mais procedimentos sendo feitos do que os lisos.

Mas é importante ressaltar que produtos e procedimentos não precisam necessariamente ser cheios de químicas pesadas e aplicados em quantidades exorbitantes para ajudar a cuidar dos cachos.

Pelo contrário.

Quanto mais natural o produto, melhor. Quanto menos quantidade por aplicação, melhor. Quanto mais delicado o procedimento, melhor!

É claro que uma pessoa que já aplicou muitos procedimentos químicos nos cabelos por um longo período de tempo pode precisar, por um período pré determinado, aplicar alguns produtos mais agressivos, exatamente para conseguir remover essa química toda. Ou até, precisar esperar o cabelo crescer o suficiente para eliminar a parte com a química. Pessoas que estão em transição capilar passam por essa etapa para recuperar os cabelos naturais.

Mas, nos cuidados do dia a dia para um cabelo cacheado natural, aproveitar a oleosidade natural dos cabelos e dar essa ajudinha para as necessidades dele com produtos menos agressivos é a melhor opção.

Antes de ir embora, me conta aqui nos comentários se você é cacheada(o) ou está em transição capilar.

Semana que vem tem mais informações sobre cabelos. Espero você!

Abraços e até semana que vem 😘