Como manter a casa em ordem depois da organização

Mulher, organizar é uma coisa, arrumar é outra, já tinha pensado nisso?

Entender essa diferença vai te dar mais clareza para manter a ordem.

Vou te explicar a diferença com um exemplo prático.

Faz de conta que você tem uma cômoda de gavetas largas e compridas aí na sua casa e que você guarda a grande maioria das suas roupas nela.

Daí, você vai usar todos os conceitos de organização que aprendeu no ebook LIMPE E ORGANIZE SEM SURTAR para usar o espaço das suas gavetas de forma inteligente.

Você começa desapegando do que não faz mais sentido, o que já diminui o volume de peças e começa a facilitar a organização.

Daí você começa a pensar com que frequência usa cada peça para descobrir o que faz sentido estar nas gavetas mais baixas e o que é melhor estar nas gavetas de cima, dobra suas peças de tal forma que você consiga visualizar todas elas facilmente quando abre a gaveta, sem precisar mexer nas roupas e agrupa suas roupas por tipo.

Isso é organização: estudar o volume de coisas que você tem e o espaço disponível para que tudo fique visível acessível e cada espaço seja bem aproveitado.

Agora, continuando no nosso exemplo, sua cômoda está organizada e você está usando suas roupas.

Você tira elas do lugar, usa, lava, dobra e coloca de volta. Isso é arrumação: colocar as coisas de volta no lugar que já foi determinado para as cada coisa no processo de organização.

Ficou clara a diferença?

Existem muitas situações em que o processo de organização falha simplesmente porque ele não existe. O que tem sido feito, na verdade, é somente o processo de arrumação do dia a dia.

A organização é o que faz diferença e esse não é um processo que precisa acontecer com tanta frequência assim.

Então, para ajudar você a manter a cada mais arrumada no dia a dia, tenho 3 dicas.

Dica 1 – Comece pelo desapego

Quando a gente elimina aquilo que não faz mais parte da nossa vida mas estava fora de vista, a gente libera espaço para organizar melhor o que faz sentido ser mantido.

Dica 2 – Faça o processo de organização com calma

Existe uma dica básica para te ajudar a começar, olha só o que você pode fazer.

Distribua todas as suas coisas sobre a cama, agrupe por tipo e observe o volume de cada tipo X os espaços dos seus armários.

Em que parte do seu armário o volume total das suas camisetas, por exemplo, ficaria melhor acomodado? E o volume de meias? E o volume de calças? Organizar suas coisas vai ser como brincar de encaixa-encaixa.

Dica 3 – Se necessário, fotografe o resultado da sua organização

O que mais vai manter sua casa em ordem depois da organização é saber onde as coisas devem ficar e colocar de volta no lugar depois do uso.

Então, se no dia a dia as coisas saírem do lugar e você não lembrar onde tinha que colocar, recorra à foto do dia da organização.

Ver como tudo estava lindo e bem organizado também vai te dar mais motivação para manter daquele jeitinho no dia a dia.

Agora, me conta aqui nos comentários: qual é a baguncinha do dia a dia que mais te incomoda?

Um beijo e até semana que vem, mulher!

Como escolher seus cabides

Escolher cabides adequados é uma coisa muito importante para a sua organização? Não.

Importante é uma palavra forte, né?

Então, porque saber escolher cabides?

Bom, o grande motivo para fazer isso é trabalhar em harmonia com o funcionamento do nosso cérebro para facilitar o dia a dia. Vou explicar.

Quando a gente tem apenas um tipo de cabide o foco visual vai ser direcionado automaticamente para o conteúdo do cabide – suas roupas.

Vai ser mais difícil alguma coisa se perder entre as demais peças de roupa.

Mas é bacana ressaltar que esse mesmo objetivo pode ser alcançado sem precisar trocar todos os seus cabides por um tipo só.

Você pode apenas agrupar cabides do mesmo tipo, dentre os que você já tem, para o mesmo tipo de roupa.

Por exemplo, cabides pretos do mesmo tamanho para as calças, cabides de madeira do mesmo tamanho para as camisas, e por aí vai.

Sacou a ideia?

O objetivo é padronizar, porque, a verdade é que não existe um cabide CERTO, existe o mais adequado para o seu espaço e para o quanto você está disposta a investir nisso.

Abaixo, vou te falar um pouco sobre cada tipo de cabide para te ajudar a escolher quais comprar e que tipo de roupa fica melhor acomodada em cada um.

Cabides de madeira

São mais sofisticados e acomodam bem muito tipos de roupas mas em compensação, ocupam mais espaço porque são mais espessos que os demais tipos de cabide e são mais caros.

Se você for comprar cabides de madeira aos poucos, fique atenta porque eles variam muito de tamanho de uma loja para outra.

Se você tem pouco espaço para pendurar suas roupas, existe opções melhores então, continue lendo.


Cabides de acrílico ou plástico

Esses cabides são mais finos que os de madeira mas você já pode ter percebido pelos cabides que tem em casa que esse tipo de cabide é o que mais varia em termo de qualidade.

A gente encontra cabides de acrílico ou plástico muito bons e resistentes e também encontra alguns bem frágeis que quebram com facilidade.

Sempre escolha os de melhor qualidade, mesmo que compre uma quantidade menor e vá substituindo seus cabides aos poucos.

Só fique atenta para comprar sempre o mesmo tamanho.


Cabides de aço inox

São muito resistentes e ocupam o mínimo de espaço mas acabam deixando as roupas mais pesadas marcadas exatamente por serem muito finos.

Minha dica? Evite esse tipo ou use apenas para peças bem leves.


Cabides de veludo

Outra opção maravilhosa para quem tem pouco espaço mas, assim como os cabides de aço, podem deformar as peças mais pesadas.

Eu já tive cabides desse tipo e acabei substituindo todos por cabides de madeira – estou sendo sincera!

Dicas úteis

Antes de sair para comprar cabides, verifique os que você já tem e já estão organizando bem as suas roupas sem deformações e compre mais do mesmo. Você vai economizar bastante fazendo assim.

Sempre, sempre, sempre pendure apenas 1 peça por cabide.

Os cabides de acrílico e plástico tem opções com ganchos, rebaixos e vincos que acabam atendendo bem qualquer peça que você queira pendurar neles impedindo que as roupas escorreguem. Se você quer economizar e comprar um tipo só de cabide, te recomendo esses completões de acrílico ou plástico.

Se você pode investir um pouco mais, minha recomendação pessoal são os cabides de madeira, com aqueles vincos nas pontas para que a roupa não escorregue. Eles acomodam bem desde os casacos pesados até as reganhas leves.

Sabe aqueles cabides que tem uma presilha? Acho eles bem bacanas para saias curtas e shorts mas, se puder te dar uma recomendação, diria para você guardar shorts e saias curtas dobradas ao invés de penduradas e evitar esse tipo de cabide, simplesmente porque os ganchos enroscam nos outros cabides com facilidade.

Evite cabides muito específicos, como por exemplo, aqueles que são curvos e mais largos nas pontas para ternos. Opte pelos mais versáteis, que podem ser usados para essa e outras peças de roupa tranquilamente caso o terno seja desapegado um dia.

Espero que essas dicas tenham te ajudado, mulher!

Dúvidas e sugestões? Deixa aqui nos comentários que eu vou amar ler =D

Para ser mais organizada você precisa ser flexível

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Semana passada, quando eu falei pra vocês sobre Como ser mais organizado, eu mencionei que, uma das características de uma casa de verdade é que ela não é uma casa de revista, ou seja, eventualmente vão ter coisas fora do lugar e isso é normal.

E sabe do que mais? Casa de verdade tem mais uma característica, que chega a ser derivada da primeira. Casa de verdade também precisa ser flexível e é sobre isso que nós vamos falar hoje.

Quando eu digo CASA leia-se também VIDA DIGITAL, porque as 2 características citadas lá em cima abrangem esses 2 campos da vida.

A vida muda o tempo todo e a rotina se transforma em função dessas mudanças. Em um momento você só estuda e divide as áreas comuns da casa com seus pais. Depois, você começa a trabalhar, seus horários mudam, suas tarefas precisam ser feitas em outros horários e seus hábitos precisam ser recriados, ou melhor, substituídos: se antes você estava habituado a tomar café num horário X, agora vai ter que ser no horário Y, por exemplo.

E isso é só pra citar o comecinho das mudanças. Na vida adulta, você pode morar com seu parceiro de vida ou sozinho, morar numa república ou com seus pais. Mudar de bairro – de estado ou até de país – ou permanecer no mesmo lugar onde nasceu. Também pode só trabalhar, trabalhar e estudar ou empreender.

Cada uma dessas variáveis que, na maioria das vezes insistem em acontecer do jeito que bem entendem, apesar dos nossos planos, podem afetar completamente seu modo de se vestir, se alimentar e o tipo de objetos que você tem em casa.

E é aí que entra a importância da CASA/VIDA DIGITAL FLEXÍVEL. Sua casa é seu lugar de descanso – tanto relacionado a sono quanto a qualquer atividade que recarregue suas energias. A disposição das coisas na sua casa precisa acompanhar sua rotina ou então você só vai se estressar em cada pequena atividade do dia a dia.

Hoje você tem 30 anos, empreende e mora fora do Brasil, em um país frio, com seu companheiro de vida? Tudo o que você acumulou até hoje vai precisar ser minuciosamente verificado porque, agora, além de dividir o espaço com outra pessoa, sua coleção de biquinis e suas apostilas de escola podem não se encaixar mais na sua realidade. Pra ter um dia a dia que funciona você vai precisar ter um lugar para os casacos de frio e o que você realmente usa pra dar suporte ao exercício da sua profissão atual.

Tá acompanhando o raciocínio?

Se organizar sempre vai te trazer mais tranquilidade e eliminar o estresse desnecessário causado por coisas que deveriam estar dando suporte pra sua rotina e não estão, como gastar um tempo excessivo caçando uma peça de roupa ou um documento.

Deixa eu fazer uma analogia: numa viagem para a Disney, seu objetivo principal não é o longo período de voo, é chegar nos parques. O voo é apenas um meio, um suporte para a sua viagem porque, o seu objetivo, é conhecer o Mickey, não ficar horas dentro do avião. 

Organização é o que te dá suporte para as demais coisas da vida.

A mensagem que eu quero deixar pra você é a seguinte: avalie, cada vez que qualquer coisa mudar na sua vida, se tudo ainda funciona do jeito que está.

Dê novos usos para cada cesto ou caixa, conforme o conteúdos deles se adapta a sua realidade.

Mude os móveis de lugar e o que fica neles pra atender às suas necessidades. Se uma atividade de suporte está dando muito trabalho ou tomando muito tempo pra ser realizada, ele precisa ser analisada e sofrer adaptações.

Espero que esse post te ajude a começar a encarar a organização como uma grande aliada ao invés de uma coisa um pouco chata de ser feita.

Abraços e até semana que vem 😘

Como se tornar uma pessoa mais organizada?

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Como ser mais organizado? Não estou falando sobre como dobrar uma camiseta ou colocar seus copos da melhor forma na prateleira, não. Aprender essas coisas específicas é simples, tem material de sobra aqui no blog e em vários outros que falam sobre organização. Tem tutoriais e vídeos com o passo-a-passo para organizar cada canto da casa na internet.

Não é sobre isso que estou falando. Estou falando sobre o dia seguinte ao dia da organização. Beleza, você organizou sua casa toda e toda a sua vida digital, mas…e depois? Como SER organizado? Como manter a organização? Como não deixar a bagunça voltar?   Antes de tudo, vamos esclarecer 2 coisas?

Primeiro: as casas de revista, só existem para a foto da revista. Casa de verdade tem coisa fora do lugar, sim. Casa de verdade, eventualmente, vai ter garrafa de água vazia na geladeira e roupa embolada e jogada na gaveta. Casa que tem vida dentro, tem coisa fora do lugar também. E isso não é ruim, é normal.

E, segundo: pessoas reais, eventualmente, vão ter emails não lidos na caixa de entrada e arquivos soltos na área de trabalho. Vão ter aplicativos no celular que foram baixados por impulso e que nunca mais foram abertos, além de fotos lotando a memória, que foram tiradas para enviar alguma informação pelo WhatsApp ou pra tentar registrar algo que estava em movimento – o que resulta em 59 fotos tremidas e uma única “ok”. Isso é normal, é a vida real.

É pra solucionar essas duas coisas que existe o processo de revisão, aliás. Se uma vez por semana você revê seus arquivos e sua casa, vai colocando no lugar o que foi tirado e mantém o controle da organização. Mas isso é assunto pra outra hora.   Então, pra responder às perguntas do primeiro parágrafo, posso te dizer que ser organizado é mais que colocar as mãos na massa pra organizar. É colocar a mente pra funcionar nesse sentido.

Como? Compreendendo os conceitos da organização.

 Você compreende que a organização é importante?

Organizar é sinônimo de liberdade de tempo, tranquilidade no dia-a-dia e, até, economia de dinheiro. Não é sobre colocar as coisas no melhor lugar, é sobre desencadear uma vida mais funcional e descomplicada.

Não tem nada mais inconveniente do que perder a peça de roupa que você precisa pra um evento importante dentro do seu próprio guarda roupas e chegar atrasado porque teve que encontrar a peça, descobrir que estava amassada, ter que passar para só então, sair. Se você gostaria de dormir mais 5 minutinhos pela manhã, mas não pode, porque tem que procurar tudo o que você precisa pra sair de casa e começar seu dia e não encontra com facilidade, eu te compreendo, porque já passei por isso e coisas assim acabavam com o meu dia.

Conceitos. Valores. Quando “a forma organizada de pensar” entra na sua cabeça, é um caminho sem volta. Um caminho muito mais leve e disciplinado e, como diria Renato Russo “disciplina é liberdade”.   Aprender e compreender alguns conceitos sobre organização foi muito importante na minha jornada e fez toda a diferença pra mim. Foi exatamente por isso que eu reuni os principais conceitos e valores de organização pra mim em um único material e, agora, quero compartilhar com vocês.   Escrevi meu primeiro Ebook!

Ele foi feito com muito carinho e dedicação pra te ajudar de vez a compreender conceitos importantes para ter mais liberdade de tempo e se armar com um escudo contra o estresse e a ansiedade provocados pela desorganização.

CLIQUE AQUI e garanta o seu gratuitamente!

Leia, releia e aplique esses conceitos na sua vida. Funcionou pra mim e tenho certeza que também vai funcionar para você.  

Uma abraço e até semana que vem 😉  

3 motivos para você começar a celebrar suas pequenas vitórias

Essa semana que passou me trouxe 2 pequenas vitórias que me deixaram tão feliz quanto atarefada. Foram 2 coisas que estavam na lista de metas para o ano, e por isso mesmo, me trouxeram uma satisfação enorme!

Sabe quando alguma coisa acontece que é apenas um passo rumo ao seu sonho e, por isso, se você contar pra alguém, essa pessoa vai ficar tentando entender o porquê de tanta felicidade em função de uma coisa aparentemente tão pequena?

Pois é, pequenas vitórias. Coisas que, geralmente, só tem valor para quem está vivendo a experiência. Então, se quem está vivendo é você, porque não celebrar?

Pegue uma taça de vinho e um chocolate, coloque aquele episódio da sua série favorita que te faz sentir muito bem e vem conferir 3 bons motivos para você fazer isso – ou faça qualquer outra coisa rotineira que te deixe muito feliz.

A vida não para

Não fique esperando pela grande celebração que você vai fazer somente quando conquistar o seu maior sonho. Ao invés disso, habitue-se a comemorar. Comemore tudo o que deu certo, por menor que seja. Dê de presente para você mesmo um momento de celebração por essa coisa que deu certo. O vinho, o chocolate ou a série é o que eu amo fazer. Já brindei comigo mesma no espelho por uma vitória que era no estilo isso-só-é-realmente-importante-pra-mim-mesma e me senti muito bem por isso! Celebre sozinho, fique feliz sozinho e então você vai ser muito mais feliz com os outros.

O que você quer mesmo é celebrar

O que todos nós queremos é a sensação maravilhosa de conquista. É o sentimento de satisfação e autoconfiança que vem depois de trabalhar bastante e querer muito alguma coisa. Olhe a sua volta: isso acontece em escala menor o tempo todo. Então permita-se observar isso e celebrar.

Acredite: você já ganhou muita coisa

Comprar produtos com desconto, ganhar presentes da família, vender alguma coisa sua em sites de produtos usados, receber indicação dos amigos de onde comprar mais barato, conseguir cupons promocionais e brindes ao responder pesquisas… Olha quantas formas diferentes para o dinheiro chegar até você.

Todos esses ganhos podem passar desapercebidos simplesmente porque a nossa mente não está acostumada a registrar que, cada um deles, custou um dinheiro que você não gastou. Existe mais de um caminho para ter mais grana disponível, além de receber um aumento de salário. Se você já experimentou qualquer uma das situações acima, parabéns, você ganhou uma graninha extra.

E pra complementar isso, usar nosso dinheiro com um pouquinho mais de sabedoria também ajuda muito. Ah, você quer dicas práticas, né? Beleza, clique aqui que tem post sobre isso aqui no blog.

Gente, escrever sobre essas coisas pra vocês é algo que eu gosto muito de fazer, sabe porquê? Porque eu já passei pelas partes ruins das situações que eu escrevo e descobri um caminho para as partes boas. Poder compartilhar com vocês essas coisas que eu aprendi no caminho e me fizeram tão bem, para que te faça bem também, é uma pequena vitória!

E, antes que eu me esqueça, muito obrigada por me acompanhar por aqui! Você faz parte de cada uma das minhas pequenas vitórias.

Abraços e até semana que vem 😉

Como lidei com a crise: parte final

Eu falei, falei e falei na parte 3 sobre os benefícios que esse perrengue todo que eu passei me trouxe: uma vida minimalista, aprender a ter mais foco e a aproveitar o momento, o aqui e agora. Mas teve uma série de coisas que esse período me trouxe de benéfico que dá pra pontuar pra vocês. Algumas coisas mais práticas, outras mais abstratas mas todas relacionadas a encontrar mais satisfação no dia a dia e gastar menos dinheiro. Quer saber quais? Vamos lá!

Comecei a correr de novo

COMO LIDEI COM A CRISE Mila Bueno

Eu sentia falta de uma rotina de exercícios na minha vida. Sempre foi difícil encaixar isso na minha rotina e ficava naquela de começa-e-pára de praticar exercícios o tempo todo. Correr é de graça, o app que uso pra medir meu progresso e fazer meus treinos também é de graça e, de quebra, sem anúncios. O condomínio que eu estou morando tem espaço o suficiente pra fazer meus treinos. Combinei tudo isso e comecei a correr!

Redescobri pequenos prazeres (gratuitos) da vida

COMO LIDEI COM A CRISE Mila Bueno

Eu amava ler quando era adolescente e logo que comecei a trabalhar. Lia bastante. Aí a rotina me tirou esse hábito. Mentira, eu que deixei ele de lado mesmo, a rotina não me tira nada (e tem post sobre livros também, minha gente, clica aqui). Estando em casa o dia todo, o que eu mais tinha era tempo pra começar a ler de novo, e foi o que eu fiz.

Peguei todos os livros que estavam parados nas prateleiras e selecionei os que gostaria de ler, pedi emprestado, pedi de presente de aniversário e descobri o quanto é gostoso sentar pra ler um livro com aquele barulhinho de chuva e uma xícara de café enquanto minha filha tira a soneca da tarde.

Comecei a aproveitar mais o condomínio onde estou morando

COMO LIDEI COM A CRISE MILA BUENO

Aqui tem praça, tem quadra, tem barras pra fazer alongamento e exercícios, tem espaço pra correr, tem a facilidade de passear com as cachorras aqui dentro mesmo, tem decoração de natal… e eu só comecei a aproveitar tudo isso por que não tinha grana pra fazer as coisas pagas. Gratidão eterna por isso!

Percebi que posso fazer algumas coisas sozinha, sem ter que pagar alguém pra fazer pra mim

COMO LIDEI COM A CRISE Mila Bueno

Corto meu próprio cabelo, faço a coloração dele sozinha também, faço minhas próprias unhas, minha depilação (clica aqui que tem post sobre isso), dou banho nas cachorras em casa, faço minha própria sobrancelha, tenho habilidades básicas de costura graças a mamãe e vovó, me arrisco em vários DIY e eles dão certo…tá a fim de fazer a conta pra ter uma ideia de quanto eu economizo no mês sem perder a pose? Rs

Comecei a escrever o blog

COMO LIDEI COM A CRISE Mila Bueno

Sim, esse canal que uso pra escrever pra vocês também era uma coisa que eu queria mas nem sabia que queria. Eu sempre quis achar uma forma de compartilhar tudo o que eu aprendia e descobria com as pessoas. Várias vezes, conversando com amigas, eu dava uma dica que eu aprendi, crente que elas já sabiam e elas não só não sabiam, como ficavam tão encantadas em descobrir como eu fiquei. Outras vezes acontecia o contrário. E todas essas informações valiosas que ainda não eram de conhecimento público gente?

O blog me trouxe essa chance de compartilhar essas coisas com vocês e de aprender com vocês também. Tá sendo uma coisa maravilhosa que só aconteceu na minha vida por causa do perrengue.

Fiz o curso de personal organizer

O curso foi pago, sim. Uma tia me emprestou a grana com um prazo generoso pra pagar de volta e foi isso que me possibilitou fazer o curso. Mas a questão não é o “foi pago” mas, sim, o “eu fiz”.

Eu já estava paquerando esse curso de personal organizer há alguns anos. Eu organizo por prazer, acredite em mim. Mas antes, quando eu trabalhava, jamais conseguiria tirar 3 dias inteiros de folga pra fazer um curso que nem era relacionado ao meu trabalho. Sempre aparecia um empecilho e eu acabava não indo atrás pra fazer.

E outra coisa, por que eu estava passando por um período tão difícil, eu reavaliei com cuidado o que era importante pra mim, descobri qual era a minha paixão e, assim, pude transmitir pra minha tia o quanto eu queria me qualificar como personal organizer e pude “ganhar” o curso. (se você não sabe, clique aqui pra ver o que é uma personal organizer).

E aqui acaba essa série de como eu lidei com a crise. Foi muito bom compartilhar um pouco mais da minha história com vocês e conhecer um pouco mais sobre vocês também através dos comentários online e offline!

Obrigada por todo o apoio de vocês!