Processo de descarte inteligente: conheça meu método

Hoje vamos falar de organização misturada com minimalismo. Hoje vamos falar um pouco mais sobre como identificar o que já não faz mais parte da sua vida e se desfazer dessas coisas. Vamos falar sobre o processo de descarte e eu vou te apresentar o meu método pra fazer isso.

Já falei sobre o processo de descarte aqui no blog uma vez e esse texto aqui é para aprofundar esse primeiro. Clique aqui se você ainda não leu!

Eu sei que quando eu falo em descarte você dá uma remexida de desconforto aí na cadeira. “Me desfazer das coisas que eu gosto? Sem chance!” Por isso, vou começar te contando que, embora isso seja a primeira coisa que passe pela nossa cabeça, esse pensamento está equivocado.

Bom, o conceito de se desfazer dos excessos e focar no que é importante você já está cansado de ver por aqui quando eu falo em minimalismo, em hábitos de compra e até mesmo, em descarte. Já te mostrei os porquês e os benefícios de se desfazer do que não pertence mais à sua vida então, hoje, quero mostrar o método para fazer isso, o passo a passo.

Você sabe que precisa se desfazer de algumas coisas, mas, como fazer isso sem sofrer?

Existe um método para fazer o descarte e eu não só estou escrevendo sobre ele como também aplico tanto quando atendo meus clientes quanto quando organizo a minha própria casa.

Vou te contar, mas com uma condição: que, depois de você aplicar esse método você me conte como foi pra você, tudo bem?

Vamos lá!

Método de descarte

1 ➤ Comece escolhendo uma única categoria de itens

Como assim, Mila? Vou explicar.

A maioria de nós inclui o descarte no processo de organizar pensando no cômodo ao invés de pensar no grupo de itens.

“Vou arrumar meu quarto e já vejo se tem alguma coisa pra doar ou jogar fora.”

É isso que a gente costuma dizer, certo?

Errado!

Ao invés de pensar no quarto ou banheiro ou cozinha, pense na categoria de itens.

“Vou arrumar meus livros/sapatos/material escolar/cosméticos/etc e então verificar o que precisa ser doado ou jogado fora.”

2 ➤ Tire tudo que pertence a mesma categoria do lugar e agrupe sobre uma superfície

Na cama, na mesa, na escrivaninha, no chão…libere uma superfície e coloque todos os livros ou sapatos ou cosméticos ou material escolar sobre ela e comece a perceber quantos itens repetidos você tem.

Verifique a data de validade e o quanto você usou cada um deles no último ano.

Compare os itens que são iguais: quantas dessas coisas servem exatamente ao mesmo propósito e estão duplicadas quando, na verdade, você só precisa de um? Agora que tudo o que tem na casa que pertence à mesma família de itens está aqui, na sua frente, dá pra ter noção da quantidade e da usabilidade de cada coisa.

Não se surpreenda se você perceber que estava doida pra comprar um pincel de blush novo e acabou de encontrar um, que estava guardado com aquele kit maravilhoso que você comprou e guardou numa caixa dentro de outra caixa no fundo do guarda roupas e esqueceu que existia!

3 ➤ Pegue 1 saco para doação e 1 para lixo

Jogue fora embalagens que ocupam muito espaço, coisas vencidas, coisas em mau estado. Doe itens repetidos sem necessidade de existir, livros que você nunca leu e nem vai ler, sapatos que te apertam ou machucam, canetas que não escrevem.

De novo, tendo a certeza que está tudo ali na sua frente e nada está guardado ou escondido, você fica mais segura pra descartar porque tem clareza do que você possui.

4 ➤ O que fazer com o que está em excelente estado e eu estou tentada a manter porque paguei caro ou porque é lindo, embora eu não use?

Venda! Pegue mais um saco ou caixa e separe as coisas que serão vendidas. Anuncie em sites de compra e venda. Eu faço isso com frequência e já transformei muito item que estava esquecido no guarda roupas em dinheiro pra comprar coisas que são lembradas o tempo todo!

Mas, e as roupas? Pode usar o mesmo método de 4 passos? Sim, mas ATENÇÃO! Roupas são uma categoria com diversas sub-categorias dentro delas. Pegue todas as meias que estiverem espalhadas pelo quarto e aplique o método. Depois, todas as saias, todas as calças, todas as camisas, todas as camisetas e por aí vai. Seja ainda mais específico: Agrupe todas as camisetas pretas de manga curta, depois todas as calças jeans…captou a ideia?

Isso vai despertar percepções do tipo:

“Nossa, eu tenho 10 camisetas pretas de manga curta e só uso essa que já está com marcas de desodorante!”

“Uau, olha quantas camisas eu tenho! E eu gosto mais de usar camisetas. Será que se eu eliminar algumas dessas peças que eu não uso tanto posso abrir espaço para as que eu gosto de usar mais?”

Fazer um processo de descarte inteligente traz o melhor de todos os resultados, na minha opinião: a satisfação de visualizar a quantidade de coisas ótimas que você já tem. Ao agrupar as coisas por categoria e simplesmente olhar pra elas, você faz escolhas conscientes sobre o que vai e o que fica, tendo a certeza de que o que vai realmente precisa ir e o que fica entra na maravilhosa categoria “coisas de que eu mais gosto e mais uso”. Isso tem impacto direto nos seus hábitos de compra e não sou só eu que estou dizendo, já ouvi esse comentário das minhas clientes depois de aplicarmos esse método de descarte na casa delas!

Agora, estou ansiosa pra saber como esse método vai funcionar pra vocês!

Me contem nos comentários?

Como usar o conceito de taxonomia para se organizar melhor

Eu sempre tive uma certa inclinação para o lado da organização. Desde pequena, organizava meus gibis da turma da Mônica por personagem da revistinha e minhas coisas de uso pessoal por tipo, e revisava essa organização sempre que eu achava necessário.

Eu gostava de fazer isso.

Mas é claro que eu não usava esse talento natural da melhor forma em todas as áreas da vida, afinal, pra usar um talento a gente precisa de conhecimentos e ferramentas específicos. Só vontade sem ação direcionada, não traz resultados.

Então, hoje, eu venho falar de um dos conhecimentos básicos sobre organização, que pode ser usado por meio de diversas ferramentas diferentes, o conceito de TAXONOMIA

Taxonomia é um sistema de categorização hierárquica que cria um mapa para que você rastreie seus arquivos e pastas – sejam eles digitais ou em papel – mais facilmente.

Complicou? Calma que eu simplifico.

Esse termo, que a gente está pegando emprestado da biologia e está trazendo para o mundo da organização, existe para categorizar e deixar o ato de localizar mais intuitivo. Olha a imagem abaixo:

taxonomia-blog-mila-bueno
Trecho do livro A Tríade do tempo

Qualquer semelhança com os mapas mentais, não é mera coincidência.

A ideia aqui é pensar de trás pra frente:

  1. Faça o processo de descarte no seu computador, dispositivos móveis e papelada e elimine tudo o que não faz mais parte da sua vida.
  2. Observe as coisas que você tem e agrupe por família – data, local ou qualquer outra que faça sentido para a sua realidade
  3. Dê um nome para cada família – que vai ser uma pasta ou um caderno no Evernote
  4. Então, observe quais famílias se relacionam e pertencem a mesma categoria, a nível hierárquico. Ex.: na imagem acima, ROCK e CLÁSSICOS são duas famílias que se relacionam o suficiente para pertencerem à categoria MÚSICAS. Se não aparecerem relações fáceis de serem identificadas por você, deixe as pastas soltas mesmo.

E é aí que vem 2 pontos importantes:

Primeiro, faça o que puder pra ter o mínimo de níveis hierárquicos possível. O objetivo é simplificar o acesso a cada pasta ou caderno, criando um mapa que seja fácil de seguir.

Segundo, use a mesma taxonomia no digital e na papelada. Para as mesmas famílias e as mesmas categorias, os mesmos nomes. Isso ajuda seu cérebro a te ajudar.

No Evernote, dá pra deixar o arquivamento ainda mais simples com a opção de usar etiquetas pra categorizar

Captou a ideia?

Espero que esse conceito facilite sua vida como facilita a minha, diariamente.

Ficou com alguma dúvida ou tem um jeitinho só seu de usar a taxonomia que pode ser uma dica bacana pra galera? Deixa aqui nos comentários!

Abraços e até semana que vem 😉

Por que sou minimalista?

Eu estava passeando pelo Pinterest uma vez e vi um texto que me chamou a atenção.

Pelo título, percebi que a autora estava dizendo que reduziu tanto suas posses que acabou ficando sem nada numa casa grande e acabou sentindo falta de algumas coisas. Foi só passar os olhos pelo artigo que uma coisa passou pela minha mente de imediato: talvez a definição de minimalismo pra quem ainda não está familiarizado com o conceito pode estar equivocada. Como eu falei pra vocês que vocês podem me considerar minimalista no post Como lidei com a crise: parte 3 , acho que está na hora de falar sobre o que é o minimalismo pra mim.

Então vamos lá: pra quê reduzir a quantidade de coisas que a gente possui, ou seja, ser minimalista? Pra começar, ser minimalista não é apenas sobre reduzir, sobre se desfazer de quase tudo e viver com o que cabe numa mochila. Existem pessoas que fazem isso, mas essa foi a forma delas de encarar o minimalismo, baseado num conceito. E é sobre o conceito – pelo menos sobre o que eu entendo como “o conceito de minimalismo” – que eu quero conversar com vocês hoje.

por que sou minimalista Mila Bueno

Minimalismo pra mim tem tudo a ver com autoconhecimento, com saber identificar, na sua vida, o que é importante e o que é tralha e isso é diferente pra cada pessoa.

Existem livros e artigos online sobre minimalismo e é claro que você vai encontrar listas e mais listas sobre o que se desfazer mas hoje eu não quero deixar mais uma lista pra vocês, eu quero falar um pouquinho sobre pensar de forma minimalista.

A primeira vez que eu me deparei com o conceito de minimalismo como estilo de vida, eu não entendia muito bem o que levava algumas pessoas a viver de uma forma tão simples sendo que existem milhares de aparatos hoje em dia pra facilitar quase todas as tarefas. Eu não entendia porque ter menos se a gente pode ter um utensílio super moderno pra cada função. Não faria mais sentido ter essas coisas e aí sim, ter uma vida mais simples, já que elas existem pra facilitar?

Não necessariamente.

por que sou minimalista Mila Bueno

Vamos relembrar uma coisa: tempo é a coisa mais preciosa que a gente tem.

Se passar, passou, não dá pra voltar e viver o último domingo de novo. Então, se o tempo é uma coisa tão rara, a gente precisa prestar bastante atenção em como ele está sendo gasto. O que acontece é que a gente está sempre reclamando que não tem tempo, que a agenda está cheia e é aí que está o xis da questão. Pra quê você precisa de mais tempo? O que está faltando na sua vida, o que você não está conseguindo fazer porque todo o seu tempo é ocupado com outras atividades? Será que não tem supérfluos tomando o lugar do importante?

E foi pensando no quanto o tempo é precioso que a resposta para a pergunta de 3 parágrafos acima começou a ficar clara pra mim.

O propósito de ser minimalista é fazer um sistema que leve em consideração o nosso tempo e o que é realmente importante pra nós – como indivíduos únicos que não são iguais a mais ninguém no mundo – e ter somente as coisas que atendem esses dois requisitos. Minimalismo tem que ter propósito. Por que EU estou reduzindo a quantidade de coisas que eu possuo? Para o quê eu quero mais espaço? O que eu gostaria de ter e não consigo porque alguma coisa que entra na categoria “excessos” está tomando o seu lugar?

por que sou minimalista Mila Bueno

Quer um exemplo real, da minha vida, pra ilustrar isso? Nós não temos carro, meu marido e eu. Nunca tivemos e, pelo menos por enquanto, não pretendemos ter.

Também não temos TV por assinatura e, o valor que nós gastaríamos mensalmente com um carro e a TV por assinatura, que nós já tivemos e sabemos bem quanto nos custava, possibilita que a gente não economize na qualidade das fraldas da Luna, que a gente ande de Uber sempre que quisermos, possamos sair pra comer fora toda a semana e possamos pagar por serviços que a gente mais gosta e mais usa como o Evernote versão pro, por exemplo.

Percebe que isso é apenas uma escolha entre o que é realmente importante pra gente e o que nós podemos viver sem, além de a gente não precisar ganhar mais dinheiro pra conseguir coisas de muita qualidade simplesmente por que nós eliminamos o que nós não fazíamos questão de ter, os excessos?

Quando a gente fala sobre reduzir, automaticamente coisas materiais vem à mente. Mas e as newsletter que a gente recebe por email só pra apagar sem ler, as fotos digitais que gente nunca filtra e depois não encontra a que quer, os relacionamentos tóxicos com pessoas que te fazem sentir mal, as atividades sociais feitas apenas “porque tem que ir”?

Reduzir abrange todas as áreas da vida e fazendo isso, a gente consegue direcionar nosso tão precioso tempo e nosso suado dinheiro pra o que é realmente importante pra nós, sem esperar a aposentadoria pra ter uma vida plena.

Isso é minimalismo pra mim.

Descarte: o ínicio do processo de organização

Hoje vamos falar de uma coisa muito importante, que é o que dá o start no processo de organização, o descarte.

Descartar, aqui no nosso caso, não é apenas jogar fora mas, sim se desfazer do que não faz mais parte da sua vida, seja doando, separando pra conserto, vendendo ou jogando fora.

Uma coisa bem delicada de lidar em relação ao descarte é a questão do “que não faz mais parte da sua vida”, porque isso varia de acordo com o espaço disponível também, não só em função do que a gente não quer mais.

Por exemplo, quando uma pessoa se muda de uma casa grande para um apartamento pequeno vai ter que se desfazer de algumas coisas que talvez ela até goste, mas que agora, literalmente, não cabem mais na vida dela.

Estão acompanhando o raciocínio?

Quando a gente vai começar a organizar qualquer espaço, a primeira coisa a se fazer é ir analisando cada item que pegamos e separar se fica, se é lixo, se vai ser vendido ou doado ou se precisa de algum reparo. Daí a gente organiza o que fica, tendo certeza de que não estamos dedicando nossos valiosos espaços para as tralhas!

O processo do descarte é uma coisa que a gente não faz só uma vez não, a gente continua fazendo sempre. Essa é a fórmula mágica pra manter nossos espaços em ordem.

O método FlyLady tem uma sugestão legal pra guiar a gente no processo de descarte no dia a dia: semanalmente, pegue um cesto ou saco, o que você preferir, e saia pela casa selecionando 27 itens que precisam ir embora. Não sei por que esse número cabalístico, mas é impressionante como é completamente possível encontrar 27 itens toda a semana que entram em uma das categorias de descarte!

Ah, e aqui vou deixar uma dica pra vocês que eu aprendi recentemente.

Eu não costumava vender nada, mandava tudo o que não era lixo direto para a doação mesmo e o engraçado era que, em relação a alguns itens, eu tinha dó de doar porque estavam em excelente estado e, se eu paguei caro por aquele item, achava que eu deveria dar uma segunda chance pra ele. Nessa, acabava mantendo coisas que não me deixavam tão feliz ao olhar pra elas e que não se encaixavam mais na minha vida, simplesmente por que ainda era muito boas.

Foi quando eu descobri o enjoei. Já tinha ouvido falar dessa lojinha virtual de venda de itens usados que faz sucesso com as blogueiras, mas nunca tinha entrado nela. Entrei, anunciei tudo o que já não fazia sentido na minha vida, desapeguei de várias coisas, já vendi algumas e, com a grana dessas coisas, comprei outras no site do enjoei mesmo, que eu queria há muito tempo.

Tô feliz da vida e indico totalmente que você avalie suas coisas que serão descartadas pra ver o que pode ser selecionado para venda e, assim, transformar o que é tralha para você em dinheiro!

Procurem minha lojinha por lá, Mila Bueno ou clique aqui e vá direto pra lojinha!

Como cuidar das suas roupas do dia a dia

Hoje não vamos falar sobre a lavagem de roupas, porque isso já foi falado nesse post, mas sim das tarefas do dia a dia que irão garantir que você gaste o mínimo de tempo possível cuidando da lavagem, secagem e dobra das roupas e que vão deixar sua rotina mais produtiva e menos estressante. com as roupas.

Pra te ajudar ainda mais, vou te dar as dicas que foram testadas e aprovadas aqui em casa em formato de checklist. Então, ignore as dicas que já são parte da sua rotina e dê uma atenção especial aquelas que são novidade pra você!

Bora lá?

Tenha um cesto para as roupas sujas

Pode ser um daqueles que são específicos para esse propósito, pode ser um baldão bonito que você tenha em casa ou, como eu fazia no último apartamento que morei, pode ser uma sacola retornável pendurada onde tem mais espaço livre de parede do que de chão.

O último apartamento onde eu morei era pequenininho e o banheiro não comportava nenhum cesto ou balde no chão. Então, eu coloquei ganchos atrás da porta, escolhi uma das sacolas retornáveis que eu tinha em casa -a que combinava mais com a decoração do meu banheiro – e pendurei atrás da porta para colocar a roupa suja.

Na lavanderia eu tinha um balde que também cumpria o papel de banquinho onde eu descarregava as roupas da sacola do banheiro todas as manhãs. Quando esse balde enchia, era a hora de lavar as roupas.

cesto-puff-tok-stok
Esse é o da minha lavanderia!

Estique e sacuda!

Eu não passo mais roupas e isso não significa que eu deixo elas amarrotadas e tudo bem. Significa que eu adotei outras formas de cuidar das peças que se mostraram mais produtivas e intuitivas pra mim.

Esticar levemente as peças logo que elas saem da máquina de lavar e dar aquela sacudida clássica antes de estender no varal ou colocar na secadora de roupas foi uma dica que aprendi com a minha mãe e que, combinada a próxima dica, me permitiu parar de passar roupas.

Carinho imediato!

Essa tarefa é um tanto quanto automática porque, para dobrar as roupas secas, a gente acaba apoiando essas peças de roupa na cama ou em qualquer outra superfície e “ajeitando” com as mãos, como se estivesse fazendo um carinho mesmo.

Essa “ajeitada” elimina os últimos amassados e é uma coisa que a gente acabaria fazendo sem pensar mesmo depois de passar a ferro.

Então, se você esticou e sacudiu antes de pendurar no varal ou colocar na secadora, vai perceber que esse carinho vai ser o suficiente para terminar de desamassar a maioria das peças.

Mas, preste atenção no título: carinho IMEDIATO.

Essa etapa só vai ser efetiva se as roupas forem diretamente do varal ou secadora para o “carinho”. Se você pegar as roupas que já estão secas e colocar em um cesto para serem dobradas e guardas dias depois, essa tática vai falhar porque as roupas vão amassar bastante e, no final das contas, você vai precisar da ajuda do ferro de passar para tirar os amassados.

Então, se você não tem tempo para fazer um carinho nas suas roupas antes de dobrar, deixe elas no varal.

Dobre da forma mais adequada

Dobras de roupas são a minha especialidade, afinal eu sou “a doida da organização” e tenho até um certificado pra provar. 😅

Então, toda a vez que for dobrar uma peça de roupa, leve em consideração o espaço onde você vai guardar ela.

Como você pode visualizar melhor cada peça sem ter que mexer nas outras que estão guardadas junto?

Faça as dobras aproveitando ao máximo o espaço que você tem.

Se vocês quiserem eu fale mais sobre dobras de roupas, deixa um EU QUERO aqui nos comentários!

Monte um kit de manutenção

Perceba que eu escrevi MONTE e não COMPRE.

Pegue uma caixa com tampa e coloque nela tudo o que você usa para cuidar das suas roupas, calçados e acessórios, como:

  • graxa para sapatos junto com a escova ou flanela que você usa para aplicar a graxa
  • tesoura
  • agulhas e linhas
  • os botões extras que vem nas roupas
  • e o que mais faça sentido para cuidar das roupas que você tem

Sabe um ótimo lugar para guardar essa caixa com itens de manutenção? Naquele espaço perdido embaixo das roupas penduradas!

Dica extra: use saquinhos protetores para lavar roupas

Eu já contei pra vocês em outro post que a gente vive um estilo de vida minimalista aqui em casa, o que, em termos BEM gerais, significa que a gente tem uma quantidade pequena de coisas, incluindo as roupas, sapatos e acessórios.

Pra ter uma quantidade pequena de coisas e manter uma quantidade pequena, a gente precisa cuidar bem do que tem. Afinal, pelo menos aqui em casa, a lógica é a seguinte: já que a gente comprar pouco, dá pra investir mais em qualidade.

Por isso, esses saquinhos para proteger as peças mais delicadas começaram a fazer sentido para mim.

Eles já foram usados para lavar as meias minúsculas das minhas filhas, quando elas tinha meses de vida, para as que os pés de meia não se perdessem nos portais mágicos que abduzem as meias dentro da máquina!

Também já serviram para lavar peças que, ao invés de serem delicadas, são bem grosseiras e podem estragar as outras peças, como bolsas ou tênis com velcro ou partes de metal.

Esses saquinhos já foram até organizadores de mala de viagem!

Então, pela versatilidade, eu deixo esses saquinhos como uma dica extra para vocês!

saquinhos-tnt

Se você já usava alguma dessas dicas ou tem alguma outra pra acrescentar na lista, deixa aqui nos comentários!

Como criar hábitos que facilitam sua rotina

Já quero começar este texto desmistificando uma coisa: rotinas não são chatas.

Eu sei que muita gente fica ouriçada na cadeira só de ouvir a palavra ROTINA por associar ela a um conjunto de coisas chatas que nos limitam e tiram toda espontaneidade da vida.

Mas é exatamente o contrário.

Criar uma rotina onde a gente tem horários e jeitinhos pré definidos de executar cada tarefa que precisa ser executada faz a gente economizar energia cerebral, ou seja, faz com que a gente não precise pensar, planejar e raciocinar cada vez que for repetir essas tarefas.

E você com certeza já tem várias rotinas pré definidas aí no seu dia a dia e nem se deu conta disso. Por exemplo, você precisa parar e pensar sobre como deve escovar seus dentes pela manhã? Provavelmente você simplesmente levanta da cama e vai indo em direção ao banheiro, sem nem perceber que está fazendo isso.

E essa tarefa rotineira, que já está no piloto automático, é o que te permite pensar em outras coisas importantes sobre o dia que vai começar enquanto escova os dentes.

Essa é a ideia de tomar as rédeas da situação e criar as tais rotinas de coisas que você quer melhorar no seu dia a dia, de tarefas que você gostaria muito de incluir na sua vida mas não tem conseguido: fazer com essas tarefas entrem no piloto automático também e te permitam parar de se preocupar com a execução delas.

Então, vou te explicar, com um passo a passo bem prático, como eu transformo tarefas que antes me faziam gastar muita massa cinzenta em rotina pra ajudar você a fazer isso também!

Vou usar como exemplo uma tarefa que eu consegui – finalmente! – colocar na minha rotina e que muita gente também quer começar a fazer: exercícios.

Passo 1: estude a viabilidade

Legal, você quer começar a se exercitar.

DICA EXTRA: existe um passo bem importante antes desse, o passo zero, que é ter um porquê bem forte, o suficiente pra te manter motivado. Por que você quer começar a se exercitar? Se a resposta pra essa pergunta não for algo que seja significativo pra você e só pra você, você vai acabar desistindo de transformar exercício em rotina mais cedo ou mais tarde. A razão pra continuar precisa ser mais forte do que a razão pra parar.

Encontrou seu porquê? Agora, vamos para a dica 1.

Que exercício você consegue fazer com frequência? Pra responder isso, você vai precisar levar algumas coisas importantes em consideração:

  • Qual a distância da sua casa para o locar onde você vai se exercitar?
  • Quanto tempo leva para executar essa atividade?
  • Em qual momento do dia você vai conseguir se dedicar a ela?
  • O que você gosta de fazer?

Quando eu respondi essas perguntas pra mim mesma eu finalmente consegui incluir uma rotina de exercícios na minha vida.

Pode me julgar se quiser, mas eu odeio malhar. Era um saco pra mim ir para a academia quando eu decidi fazer a imbecilidade de me matricular em uma. Nessa época, me deslocar até o local onde eu faria exercício se encaixava na minha rotina, eu ficava lá por cerca de 40 minutos, depois do expediente de trabalho e fazia sentido porque a resposta para cada uma das perguntas acima colocou a “malhação na academia” como a melhor opção na época.

Agora não dá mais. Eu trabalho em casa e tenho 2 filhas pequenas. A forma como eu estruturei todas as demais tarefas do meu dia a dia tem funcionado muito bem e sair para ir até uma academia seria uma escolha ruim tanto em questão de tempo quanto financeiramente.

Então, as respostas para as perguntas lá de cima mudaram conforme a vida mudou.

Hoje, no momento em que estou escrevendo esse post pra vocês, eu faço 30 minutos de bicicleta ergométrica seguido de agachamentos ou abdominais intercalados a cada dia na minha casa, todos os dias pela manhã, logo depois de tomar café da manhã.

Essa última frase é o gancho para o próximo passo.

Passo 2: associe a tarefa nova à uma tarefa velha

Ókei, tem um porquê bem forte, estou motivada, escolhi qual a modalidade de exercício que eu quero fazer e aonde vou fazer e tenho livre o período da manhã. Como eu posso vencer a procrastinação?

Fazendo associações. Escolha uma tarefa ou atividade que já é rotina, que já está no piloto automático, e comece a fazer a tarefa nova logo depois dela.

Usando o nosso exemplo como base, você pode fazer seus exercícios matinais logo depois de arrumar a cama. Ou então, como eu que acordo cheia de fome, logo depois de tomar café da manhã.

Acorda – usa o banheiro – arruma a cama – troca de roupa – faz exercício

ou então,

Acorda – usa o banheiro – toma café da manhã – troca de roupa – faz exercício

Sacou o lance da associação?

Quando você amarra uma tarefa na outra fica bem mais fácil de executar.

Sabe quando você sai de casa num sábado e acaba fazendo o caminho do trabalho sem perceber? Esse é um bom exemplo de associação. Se você sempre pega as chaves do carro e tira ele da garagem sozinho pela manhã, tem grandes chances de você fazer o trajeto dos dias úteis no sábado também.

Passo 3: anote

Escreva, digite, grave um audio, não importa a ferramenta que você vai usar, apenas garanta que você vai firmar um compromisso com você mesmo.

Ninguém precisa ver essa sua anotação, ela é sua, então solte sua criatividade e seja detalhista.

Pode parecer um passo bem bobo e até facilmente descartável, mas vai te ajudar a se manter firme.

Anote o seu porquê, anote as respostas para as perguntas do passo 2, anote como vai funcionar sua nova rotina e a quê ela vai ser associada para funcionar.

E, se quiser, anote a data em que você decidiu assumir esse compromisso com você mesmo também. No caso da rotina de exercícios, você pode até anexar uma foto sua atual. Vai ser bacana acessar essa informação de novo daqui 1 ano e ver o quanto você progrediu!

Aqui eu usei como exemplo “incluir os exercícios físicos na rotina” mas esses 3 passos servem para qualquer coisa que você esteja tentando colocar na rotina.

Mas preste bastante atenção agora, eu preciso frisar uma coisa 👇🏻

Escolha 1 rotina nova de cada vez.

Cada uma dessas rotinas vai usar esse passo a passo de 3 partes para se transformar em um HÁBITO.

E são os hábitos que constituem a nossa rotina funcional e simples de ser executada!

Espero que esse passo a passo te ajude tanto quanto me ajuda cada vez que u preciso incluir algo na minha rotina.

E pra te ajudar a se aprofundar ainda mais nesse assunto de criação de hábitos, eu tenho uma super indicação pra te fazer: o livro O PODER DO HÁBITO, de Charles Duhigg, uma leitura muito leve e gostosa que, além de explicar muito bem como os hábitos são formados, te prende nas historias reais incríveis descritas pelo autor.

Fotinho da época em que eu ainda tinha muitos livros físicos!

Você já leu esse livro? Me conta aqui nos comentários de qual história você mais gostou!

Como terminar as tarefas chatas mais rápido

E aí, pessoa que tá do outro lado da tela, tudo bem?

Se você já deu uma passada pela página HOME aqui do site ou me acompanha no Instagram e viu o meu perfil, já sabe que eu busco viver ao máximo uma vida com mais significado.

Sabe porquê?

Porque eu estava cansada de viver em função das férias e feriados. Tipo, “todo o dia eu faço coisas que eu não gosto, não consigo alcançar o equilíbrio entre minha vida pessoal, profissional e a maternidade mas tudo bem! No final de semana eu vou me divertir muito pra compensar.” Daí o final de semana chegava e a realidade é que eu precisava dedicar o sábado todo pra faxina e organização da casa.

WOOOW! Que vida é essa, gente?

É claro que todas as escolhas são muito pessoais, mas, para mim, esse estilo de vida não funcionava. Eu não estava feliz assim.

Ókei então, eu queria poder terminar cada dia – ao menos, o máximo de vezes possível – satisfeita com o dia em questão, sem precisar esperar pelos feriados para sentir que eu estava vivendo e não apenas sobrevivendo, mas tem coisas que precisam ser feitas, certo?

Não dava pra eu simplesmente eliminar a limpeza da casa da minha vida, eu iria viver em um lugar imundo e disfuncional. Eu consegui eliminar o dia da faxina do jeito que a gente conhece e eu conto tudo pra vocês nesse post aqui, mas pra eu alcançar o objetivo que eu queria, eu iria precisar buscar formas novas de fazer as coisas antigas pra que sobrasse tempo para as outras coisas, para os outros papéis que eu assumo na vida, para o tal do equilíbrio.

E essa foi uma forma de continuar fazendo as coisas que são necessárias no dia a dia, mas fazer o tempo render: contar com a ajuda de um timer.

Então, vem comigo que eu vou te contar como eu uso a ajuda do timer exatamente para essas tarefas inevitáveis de quem tem uma casa sob a sua responsabilidade: a limpeza e a organização.

O que eu percebi que mais tomava tempo na hora de cuidar da casa era o quanto eu me perdia nas tarefas. Faltava foco. Parecia que fazer faxina era tão chato pra mim que qualquer coisa era uma boa desculpa pra fazer uma pausa. Ou então, o outro extremo: eu acabava limpando, arrumando e organizando por horas e horas e fica bem paranóica no final do dia se alguém tira uma coisinha do lugar.

Quem nunca falou pelo menos uma vez na vida a frase “Eu acabei de limpar, dá pra deixar tudo no lugar?” não sabe o que é ter sua própria casa e ser o responsável por cuidar dela!

Então, fracionar essa faxina em pequenas tarefas e limitar o tempo que eu dedico para cada uma me da um senso de urgência e mais foco.

A ideia é a seguinte: programe o timer do seu celular para apitar dentro de 15 minutos e mãos á obra!

Antes de programar o timer, tenha em mãos tudo o que você vai precisar para limpar ou organizar a área que você escolheu.

Comece a tarefa assim que der o start no timer e apenas finalize o que ainda estiver na sua mão assim que o timer apitar depois de 15 minutos.

Simples assim.

Pode ser que 15 minutos não sejam o suficiente? Pode.

Pode ser que seja mais que o suficiente e ainda sobre bastante tempo? Também pode.

Então, observe a situação da região que você escolher limpar sempre que o timer apitar pra saber que ajustes precisam ser feitos para funcionar melhor da próxima vez.

Será que dá pra agrupar 2 tarefas que são mais rápidas de executar do que você tinha imaginado?

Será que é preciso dividir uma única tarefa em 2 ou 3 partes porque elas levam mais tempo do que você esperava?

Leve tudo isso em consideração.

O timer é um ótimo aliado para começar a construir sua rotina de cuidados com a casa diária, semanal e mensal.

Tenho 2 posts aqui no blog sobre rotinas, não se esqueça de dar uma olhadinha neles também clicando nos links abaixo ↓

Abraços e até semana que vem 😘

Como organizar a mala de viagem

O final do ano chegou minha gente! Essa época gostosa de comemoração e reunião da família em que geralmente alguém tem que colocar o pé na estrada, né? Pois bem, se esse ano quem vai fazer isso é você, tenho umas dicas bacanas pra ajudar a colocar tudo o que você precisa na mala e, principalmente, encontrar tudo o que você levou e não deixar de usar nada porque o item se perdeu na mala ou aconteceu um acidente com os produtos de higiene que deixou todas as suas roupas melecadas de shampoo antes de chegar ao destino!

Eu uso todas as dicas que vou compartilhar com vocês quando vou montar minha mala então elas são testadas e aprovadas. Uma regra geral é: categorize sua mala. Nada de ir jogando tudo lá dentro aleatoriamente e precisar tirar várias peças, que já estão amassadas, pra encontrar alguma coisa que ficou jogada no fundo.

Como?

Aí vai:

Use suas necessaires

Antes de aprender essa dica eu costumava usar as necessaires somente pra itens de higiene ou bijus, nunca pra roupas mas, não é que funciona?

Quando ganhei minha filha e montei a mala da maternidade, separei as calcinhas e sutiãs de pós parto todos numa necessaire e os itens de higiene em outra. Na hora do banho, quando precisava que meu marido trouxesse as coisas pra mim, só pedia “Amor, me traz a necessaire bege e a rosa!” e pronto, estava tudo ali separadinho. Facilitava pra mim e pra ele. Então use e abuse das necessaires paradas no armário na hora de montar a mala!

Olha só alguns exemplos do que você pode colocar nelas:

  • calcinhas e sutiãs;
  • biquínis;
  • Itens de banho;
  • Itens de higiene que não são usados no banho como hidratantes pra o corpo e pra o rosto, protetor solar, desodorante, perfume;
  • Remédios;
  • Bijuterias;
  • Elásticos de cabelo, presilhas, pente, escova;
  • Cabos e carregadores do celular, da máquina fotográfica, de tablet, de notebook, fones de ouvido;
necessaires
Amo necessaires!

Tenha um saco para as roupas sujas

Na hora de montar a mala, coloque esse saco por cima de tudo. Logo que chegar ao seu destino, tire esse saco da mala e vá colocando todas as roupas sujas nele, conforme forem sujando. Na hora de ir embora, é só fechar o saco e colocar na mala. Se você ficar hospedado em hotel, pendure esse saco na porta do banheiro. Se estiver sendo recebido na casa de alguém, deixe bem acessível junto com as suas malas.

saco-lavanderia

Além das necessaires, existem os organizadores de mala, já ouviu falar?

Para as roupas e sapatos existem organizadores de mala pra separar os itens da forma que você preferir. É muito melhor pegar um saco com tudo separado do que se perder em itens soltos na mala. Eu uso tanto as necessaires quanto os organizadores de mala de viagem, de acordo com o item que quero categorizar.

Você fará muitas compras nessa viagem?

Compras a gente sempre faz né, mas pensar no quanto e no quê vai comprar também te ajuda na hora de montar a mala. Se você pretende comprar roupas lá, leve o mínimo possível daqui. Lembre-se que se você estiver viajando de avião, paga pelo excesso de bagagem, então se na ida estiver ocupando menos de 50% do interior da sua mala, vai aumentar as chances de poder voltar com ela lotada sem pagar a mais por isso!

Na mesma linha de raciocínio acima, considere se você pretende comprar uma mala quando chegar ao seu destino.

Comprar somente pra dar conta da quantidade de itens a serem trazidos e depois deixar uma das malas que você tem ocupando espaço no armário, sem uso, é um erro que eu mesma já cometi, então agora, se sei que farei muitas compras já levo isso em consideração. Se estou satisfeita com a qualidade e quantidade das malas que já tenho, levo uma bolsa grande ou uma mala menor dentro de outra mala maior, poucos itens de uso pessoal, e então não preciso comprar outra pra acomodar todas as compras.

Quem já teve um acidente com uma embalagem de qualquer líquido na mala levanta a mão!

Eu levanto as duas! Foi aí que aprendi uma dica muito bacana: abrir as embalagens, colocar um pedaço de plástico filme e fechar novamente. Isso impede que os líquidos vazem independente do sistema de abertura do frasco.

  • Mais algumas considerações importantes:
    • Tem algum item que você vai levar que precisa de benjamim pra ir pra tomada na sua casa? Considere levar o benjamim na viagem também;
    • Vai precisar lavar biquínis ou roupas íntimas no chuveiro? Considere levar um frasco com sabão;
    • Está viajando com bebês ou crianças pequenas? Considere levar um frasco com detergente e as escovas específicas para lavar as mamadeiras, copinhos, pratinhos e demais itens de alimentação na pia do banheiro do hotel;
    • Vai viajar de avião? Existe uma opção pra embalar sua mala e evitar danos no exterior dela. Envolva sua mala com plástico filme na ida e leve um rolo na mala para embalar na volta. Já fiz isso e funcionou muito bem, além de ser bem mais em conta do que embalar no aeroporto.
    • A viagem vai ser longa? Não se esqueça de carregar todos os seus itens eletrônicos na noite anterior, inclusive o carregador portátil, caso você tenha. Eu tenho e ajuda bastante a não ficar sem bateria quando a viagem vai ter muitas horas de duração.

Ter a mala de viagem organizada ajuda demais a não perder tempo nem na montagem da mala nem na hora de usar as coisas no seu destino. Na volta, também agiliza pra desfazer a mala porque você sabe de cara quais roupas vão pra máquina de lavar e quais vão pra gaveta, por exemplo.

Essas foram as técnicas que eu uso!

Compartilhem com todos que você sabe que vão viajar nesse final de ano e me conta aqui embaixo se você tem alguma dica que funciona super pra você!

Como limpar a casa no dia a dia e eliminar o dia da faxina

Tirar um dia inteiro pra limpar a casa é uma coisa difícil.

Pra quem tem uma semana lotada, cada minuto de folga conta muito! Mas, tendo ou não a semana lotada, os finais de semana e feriados são um tempo valioso que a gente quer aproveitar pra fazer o que a gente quer e ter que abdicar desse dia por que a casa está de ponta cabeça provoca uma pontinha de tristeza.

Além disso, se a faxina é feita no sábado, conforme o próximo sábado se aproxima a gente já está vivendo na bagunça e sujeira.

Existe um sistema americano de limpeza e organização chamado FlyLady. Esse sistema é bem amplo e tem vários ensinamentos, mas um em particular me chamou muita atenção e eu quero compartilhar com vocês como eu adaptei ele pra minha vida.

O objetivo é dividir as tarefas pra que a gente faça um pouco a cada dia, e no final de cada mês, termos limpado cada cantinho da casa.

A princípio, me pareceu muito trabalhoso, mas quando comecei a aplicar o sistema em casa, percebi que era muito eficiente e não demoraria tanto assim.

Vou falar ao mesmo tempo como funciona e como eu faço:

Todos os dias vamos separar 15 minutos, ajustados num timer, e fazer as coisas do dia a dia, como lavar a louça, guardar os itens que estão fora do lugar, passar uma escovinha no vaso sanitário, arrumar a cama, lavar, estender ou dobrar as roupas, enfim, analise a sua casa e a sua rotina pra identificar o que é importante e viável ser feito todos os dias pra manter a casa funcionando bem.

Ajuste o timer e faça!

Quando o timer apitar, acabou! O que não foi feito vai ficar pra amanhã. A ideia do timer é criar um senso de urgência e foco pra que a gente não gaste muito tempo com a rotina de limpeza. Feito isso, o caminho estará livre pra qualquer limpeza mais pesada.

Separe tudo o que precisa ser feito na sua casa por tarefas.

Por exemplo: limpar o micro-ondas, limpar as janelas, passar lustra móveis nas superfícies, engraxar sapatos de couro, organizar o guarda-roupas…percebe que os itens não são somente sobre faxina? Essa lista vai levar algum tempo pra ficar redondinha, pra mim levou meses.

Comece com o que vem a sua cabeça no momento, e vá acrescentando itens conforme for fazendo e conforme for lembrando. É importante lembrar que essa lista não é engessada nem fixa pra sempre. Nossa vida muda e, consequentemente, as tarefas mudam. Lembre-se que sua lista é flexível, ela vai se adaptando à nossa vida, então coloque nela o que faz sentido nesse período que você está vivendo.

Depois dessa separação inicial, agrupe as tarefas de forma que você leve de 15 a 30 minutos pra concluir os grupos de tarefas. Se alguma tarefa sozinha já leva esse tempo, deixe ela sozinha mesmo.

Separe o que precisa ser feito uma vez por semana, o que precisa ser feito uma vez por mês, uma vez a cada dois ou seis meses. Exemplo da minha rotina: eu troco os lençóis, toalhas e capas de almofada uma vez na semana, passo aspirador e mop na casa de uma forma bem minuciosa uma vez no mês, lavo as cortinas a cada seis meses. Veja o que funciona na sua casa!

Agrupe o que você vai fazer em cada semana por tipo de tarefa ou por cômodo da casa. Exemplo: limpar as superfícies dos móveis, dividindo todos os móveis da casa pelo decorrer da semana ou limpar um cômodo inteiro dividindo cada parte dele pelo decorrer da semana. Faça o que funcionar melhor pra você.

Na minha casa, atualmente, divido por cômodos.

Separe os produtos e utensílios de limpeza de forma que fiquem acessíveis e agrupados. Na minha casa, tenho um balde como o da imagem abaixo e coloco nele tudo o que uso todos os dias na limpeza, como espanador, produto pra limpar superfícies, luvas de borracha, saco de lixo…quando vou fazer a limpeza diária, pego esse balde e saio pela casa fazendo as coisas, sem ter que ficar voltando na lavanderia toda hora. Isso otimiza o tempo!

Envolva quem mora com você nessa rotina. Não force, nem brigue, mas envolva!

“Se todos fizermos juntos, vamos ter tudo sempre limpo e em ordem gastando só 15 minutos por dia!”

Todo mundo sempre tem aquele pedacinho que ta precisando de mais atenção. Se enquanto você limpa o banheiro, por exemplo, outra pessoa está organizando a escrivaninha do quarto dela e outra está engraxando os próprios sapatos, em 15 minutos todo mundo vai ter algo mais limpo e organizado.

Nos finais de semana, tire folga da limpeza pesada! Faça somente a rotina do dia a dia.
Por fim, ajuste o timer, coloque uma música animada, e faça!

Esse sistema traz benefícios muito legais. Primeiro, você não vai mais precisar separar um dia pra limpar a casa toda. Segundo, você vai ter uma casa sempre em ordem, sem precisar correr pra “dar uma limpada” quando uma visita está chegando. E terceiro, que pra mim é o melhor, quando você passar o dia fora, ficar doente ou simplesmente sentir que precisa descansar naquele dia, não vai fazer diferença, afinal, você veio trabalhando na limpeza e organização da sua casa todos os dias!

Em pouco tempo isso vai virar um hábito e a casa vai estar sempre limpa e organizada.

É isso gente! Espero ter ajudado. Qualquer dúvida ou sugestão, deixa aqui nos comentários!

Uma das melhores ferramentas para uma vida mais organizada – o Evernote

É um programa? Uma nuvem? Um bloco de notas? Um app? Nem sei definir direito porque a verdade é que o Evernote se comporta como tudo isso.

Nele é possível salvar suas anotações e, o que mais me chamou atenção, seus arquivos.

Você pode anexar qualquer formato de arquivo, seja imagem, vídeo, áudio, texto, pdf…enfim, pode salvar toda a sua vida num local protegido por senha e ter acesso a tudo isso onde você estiver. 

Ele é um sistema que tem plataformas tanto pra celular quanto para tablet e computador, além de poder ser acessado online. Você abre uma conta com login e senha e já pode começar a utilizar.

Imagine nunca mais ter que ir pra casa buscar um documento que faltou para concluir um cadastro em algum lugar, afinal, está tudo salvo e bem organizado em um aplicativo que pode ser acessado diretamente no seu celular. Imagine poder enviar por email suas informações mais relevantes na hora em que são solicitadas ao invés de ter que ir para casa vasculhar dentre centenas de papéis e pastas aquilo que você procura e ainda ter que pagar para tirar uma cópia dessa informação.

Isso é o que o Evernote te proporciona.

O sistema de utilização do Evernote é um pouco diferente do sistema de pastas e arquivos que nós estamos acostumados a usar, então no começo a gente estranha um pouco. Mas não desista tão rápido porque aprender a usar esse sistema novo é muito simples e vale a pena o esforço. A carinha do Evernote é parecida com uma página de emails e, aliás, você também pode encaminhar emails e deixar salvo no Evernote, caso receba alguma coisa que ache importante armazenar.

Para de dar uma visão geral dessa diferença na utilização do Evernote, vou fazer um comparativo com o sistema que a gente já conhece, o de pastas e arquivos no computador.

No aplicativo do elefantino, ao invés de pastas ou arquivos, existem as NOTAS. Nada que é colocado no Evernote fica solto em qualquer lugar. Cada anexo ou anotação de texto existe dentro de uma nota. Na hora de organizar suas informações no computador, você joga seus arquivos em pastas e, depois, pastas dentro de pastas, certo? Dentro do Evernote, para organizar suas notas, existem os cadernos e etiquetas, que podem ser usados em conjunto ou que você pode escolher de qual das duas gosta mais e adotar apenas uma.

pagina-inicial-evernote
Essa é a cara do Evernote pra PC

“Nossa Mila, não entendi nada. Muito confuso! Acho que não vou me adaptar.”

Eu sei, pra mim também foi assim na primeira vez que li sobre o Evernote. Mas acredite, vale a pena se familiarizar com tudo isso e aprender a usar essa ferramenta. Desde que eu comecei a utilizar, ele faz parte da minha rotina, e eu não vivo mais sem ele.

Agora, se você está pensando em adquirir o Evernote, já deve estar se perguntando quanto custa essa brincadeira.

Então, vale dizer aqui que existe a versão gratuita e a versão Premium do Evernote, ou seja, a versão paga, mas que para quem está começando agora a usar, a versão gratuita já atende muito bem.

O Evernote é uma ferramenta muito ampla, que daria assunto pra vários posts e que está em constante atualização para melhorar a experiência do usuário. Então, acesse o site do Evernote, crie uma conta, baixe no seu smartphone, PC e comece a fuçar. Aí me conta o que você está achando aqui nos comentários.

Existe muito material disponível e mais aprofundado sobre o Evernote, não é difícil de encontrar. Mas caso vocês tenham gostado desse post, conta pra mim. Quem sabe a gente faz uma série de post sobre esse programinha pelo qual eu sou apaixonada e uso intensamente.

Quer dar o primeiro passo para organizar de vez sua vida digital? Clique no link abaixo e entre para o time Evernote!

Cadastre-se no Evernote